Vinil: vívido ou velado?

Algumas reflexões interessantes sobre o vinil feitas por um respeitado profissional da área de áudio.

Vinil: vívido ou velado?

Por:  Jim Smith

 

Você provavelmente sabe que o disco de vinil está desfrutando de uma incrível renovação de interesse. Não que ele já tenha morrido em muitos dos círculos que encontro. Muito pelo contrário, de fato.

Uma vez que vários leitores da Copper podem se considerar “vinilphiles”, achei que seria uma boa ideia irritá-los com este artigo … NÃO!

No entanto, quero dizer algumas coisas que podem deixar alguns leitores infelizes. Portanto, considere isso um pensamento.

Porque eu me estremeço

Em minhas viagens, participando de shows, eventos de revendedores e incontáveis ??sessões de locução, incluindo aquelas que remontam há mais de 35 anos, ainda não encontrei uma única plataforma giratória que achei que foi tocada tão bem quanto poderia ter sido. Isso mesmo, nunca ouvi uma que eu acreditasse que tivesse entregue toda a música!

A má notícia é que todas elas poderiam ter sido melhores. Algumas mesas precisavam de apenas um pouco de ajuda e, infelizmente, algumas exigiam muito. A boa notícia é que – pelo menos nos últimos tempos – normalmente, não demorou muito para ocorrer uma melhoria. Quando eu tive a oportunidade de tentar, sempre restou provado que eu poderia fazer aquele equipamento de vinil soar melhor. E muitas vezes eu não demorava muito para fazer isso. Talvez seja por isso que eu estremeço quando vejo audiófilos dizendo que suas mesas soam tão bem. Elas podem soar bem, mas elas estão tocando no nível que poderiam? Provavelmente não.

Vinil – vívido ou velado? – Uma dúzia de dilemas

Para ser justo, quem sabe como nosso tocador de vinil realmente deve soar? A verdade é que nenhum de nós tem essa informação e (com algumas exceções) isso pode incluir o engenheiro de masterização.

1) A maioria de nós se imagina como puristas que não sujariam nossos equipamentos com um equalizador – analógico ou digital. Não me lembro de muitos audiófilos respondendo SIM a esta pergunta: “Você usaria um equalizador de alcance total em seu sistema?”.
No entanto, toda vez que tocamos um LP, o som passa não por um, mas por dois níveis de equalização! Primeiro, a curva de masterização RIAA é introduzida no próprio disco de vinil, e então devemos reproduzir o disco através de um estágio de pré-amplificador de fono que contém (esperançosamente) um equalizador de imagem espelhada para nos levar de volta à resposta “plana”.

Esta situação assume curvas precisamente espelhadas (gravação e reprodução), que, verdade seja dita, ocorre com menos frequência do que poderíamos pensar. Selos diferentes apresentam  ênfases ligeiramente diferentes. Anteriormente, as gravações pré-RIAA usavam suas próprias curvas de equalização “internas” (é por isso que fabricantes como a Zanden oferecem uma seleção de curvas de equalização). Portanto, temos dois níveis do temido equalizador, e de qualquer forma elas podem não ser precisamente equalizadas para algumas de nossas gravações.

2) A maioria dos audiófilos presta atenção quando vê um projeto eletrônico que conseguiu dispensar um estágio de amplificação extra, mas, por alguma razão, eles dão uma permissão para um estágio adicional – e de ganho relativamente alto – o pré de fono. Além disso, se tivermos cápsulas de bobina móvel, podemos ter que optar por adquirir um pré de alta qualidade. Mesma questão do equalizador, mesmo acréscimo necessário, só que agora introduzimos ainda mais cabos e conexões na equação.

Claro, isso é totalmente contra o que atestamos – ou fomos levados a acreditar que seria o melhor – menos estágios de ganho, menos conexões e cabos, mas, opa, isso é analógico, então “ignoremos isso“!

3) Você nunca vê menção à variação de equalização nas frequências altas à medida que a reprodução avança no centro do disco. Em outras palavras, os requisitos de corte podem exigir uma alteração sutil (ou às vezes severa) nas altas frequências à medida que a agulha se aproxima das ranhuras internas do disco.

4) Infelizmente, nenhuma inovação de engenharia surgiu para reduzir significativamente a distorção do sulco interno – é simplesmente uma parte do pacote do disco de vinil.

5) Você sabe que não existem duas cápsulas fonográficas (iguais de mesma marca e modelo) com som igual, certo? Pergunta: aquela que você possui é a melhor de seu lote de fabricação? Você o comparou com outras cápsulas do mesmo fabricante e do mesmo modelo? Só perguntando … ?

Lembro-me de ter examinado uma série de cápsulas da Decca London (nos anos 70) para encontrar uma que não soasse muito áspera, muito limitada, muito exagerada nos graves, menos desalinhada e assim por diante. As Deccas eram conhecidas principalmente por duas coisas – som potencialmente incrível e – infelizmente – inconsistência total no som, de cápsula para cápsula (do mesmo modelo – como o Mk. 5). Eu era um revendedor Decca na época, então eu podia selecionar uma a dedo no nosso estoque, mas e os nossos clientes? Não muito.

Felizmente, os cartuchos de hoje são muito melhores e muito mais consistentes em desempenho. Mas, você sabe que eles ainda não soam iguais, certo?

6) A espessura variável dos LPs significa que muitas vezes você não toca seus discos nos ajustes de SRA/VTA ideais. Você vai refazer este ajuste para cada disco ou simplesmente conviver com a degradação do som resultante.

Eu só conheço um audiófilo que desenvolveu uma técnica replicável e bastante simples para ajustar o SRA. Certamente há mais, eu apenas não os conheci. No entanto, quando ele muda as cápsulas, muda o jogo, e ele terá que recalibrar tudo novamente. Nossa !!

7) Na minha opinião, de alguém que fez centenas de gravações originais (principalmente para transmissão NPR) – tanto analógicas quanto digitais de 30 e 15 IPS – quando ouço um audiófilo afirmar que os LPs analógicos entregam a música com qualidade de referência verdadeira, simplesmente indica que eles nunca ouviram uma fita master verdadeira (não uma cópia comercial) em comparação com o LP comercial resultante dessa fita.

A fita master faz o vinil soar mutilado – faltando dinâmica, tom e presença. Nenhum toca-discos, em qualquer faixa de preço, pode preencher a lacuna existente entre a fita master e o LP masterizado. É ENORME . E mesmo essa comparação ainda pressupõe o uso de um toca-discos/pré de fono precisamente configurados.

Agora, há um grupo crescente de audiófilos que estão pagando muito dinheiro pela segunda geração, frequentemente terceira ou pior, de cópias das fitas master. E eles dizem que essas cópias são muito melhores do que os LPs correspondentes.

8) Hoje em dia, qualquer pessoa que esteja disposta a se dar ao trabalho e às despesas de tocar discos de vinil, deve ter conseguido executar adequadamente os aspectos mecânicos básicos da configuração de seu toca-discos. E agora, há uma série de ferramentas úteis que tornam o aspecto mecânico da tarefa realizável. Quando menciono que ainda encontro plataformas giratórias que ficam aquém, raramente é do lado da configuração mecânica, overhang, azimute, etc. Isso é realmente uma boa notícia. O único aspecto mecânico que muitas vezes ainda pode ser tratado é o isolamento do toca-discos.

9) Mais um aspecto mecânico que ainda pode ser abordado seria a relação variável do momento de inércia do contrapeso e da cápsula (quando esta opção ainda estiver disponível). Isso pode fazer uma diferença significativa na dinâmica da reprodução.

10) As áreas que parecem se beneficiar consistentemente com um pouco mais de trabalho são a montagem da cápsula, a força de rastreamento vertical, VTA/SRA e anti-skate. Eu não acho que os instrumentos consigam fazer este trabalho, e você precisa escutar os efeitos de todos eles. E eles estão inter-relacionados, assim como a temperatura ambiente (que muitas vezes é ignorada).

11) Finalmente, se o sistema principal não foi afinado para “tocar na sala”, como o amante do vinil pode saber se seus ajustes estão indo na direção certa? Isso me lembra os clientes do RoomPlay Reference que vêm aqui e, em algum momento, pedem para ouvir o CD, porque “conhecem isso”. Em minha opinião, eles provavelmente não conhecem, mas eu tento não dizer isso, pelo menos não de imediato.

12) Preciso ainda mencionar o ruído de superfície do vinil?

Uma palavra “finyl”

Quando um sistema digital é feito da maneira certa, ou pelo menos bem feito, a música pode fluir e tocar o seu coração. Embora eu adore ouvir o meu vinil, não faço isso há vários anos, preferindo, por uma série de razões (principalmente por falta de tempo), buscar fazer dos meus arquivos digitais a minha escolha.

A maioria dos meus clientes presume, e frequentemente até menciona, que uma das razões pelas quais o meu som é tão bem audível é porque estou tocando digital em “Alta Resolução”, mas não, é simplesmente material 16/44,1 produzido com cuidado. Essa afirmação costuma ser uma grande surpresa para eles. Ninguém nunca reclama ou expressa o desejo de ouvir vinil. Talvez seja apenas uma multidão excepcionalmente educada, quem sabe?

Dito tudo isso, eu gostaria que não houvesse essa diferenciação de fontes, mas ela é muito real. Felizmente, parece estar acalmando. E talvez isso seja saudável, se conseguir nos manter envolvidos.

Seria bom se alguns audiófilos parassem e pensassem antes de declarar que sua reprodução de vinil é o meio de maior resolução, mais preciso e superior. Talvez seja para eles (SE eles abordarem os problemas acima), mas, no atual momento, isso não é necessariamente igual para os outros audiófilos.

O meio digital atual vale o esforço de ser exploradas hoje, se não pelo motivo de arquivar seus amados LPs analógicos, sim, em alguns casos, para ter um som melhor. Pronto… falei !

 

Nota: Este artigo da Copper foi extraído e editado de um artigo que escrevi há vários anos para o Relatório de Alta-fidelidade de Chris Sommovigo – agora conhecido como Simple Mag – http://thehighfidelityreport.com/
Você também pode ler o trabalho de Jim em seu site. www.getbettersound.com

Jim é autor do excelente livro: “Get Better Sound”, foi um dos mais importantes revendedores de equipamentos de áudio de alta-fidelidade, hoje chamados de “high-end”, e é consultor dos mais importantes fabricantes de equipamentos de áudio do mundo, além de autor de vários artigos para publicações especializadas.

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário