Review Caixas Q Acoustics Concept 300

Avaliação da What Hi-Fi destas ótimas caixas.

Uma coisa que eu gosto em algumas publicações estrangeiras é a transparência e a imparcialidade, o que demonstra mais confiabilidade já que mostra que a publicação não tem rabo preso com anunciantes, comerciantes e fabricantes.

Infelizmente, para muitas outras publicações, tudo brilha a Diamante, se encontra em grau de arte ou é referência na sua categoria. O mais engraçado é que essas referências dentro de uma mesma categoria são várias…
Claro que nem sempre a omissão de algumas publicações está relacionada a algum interesse de manter a “boa relação” com os fornecedores, mas também às limitações de sensibilidade acústica que atinge TODOS nós, especialmente os que já passaram dos 30 ou 40 anos. Já tratamos sobre isso em nossos artigos sobre Customização de Sistemas de Som, onde defendemos a necessidade de se fazer correções para que consigamos ampliar a nossa capacidade de percepção. Infelizmente, essa é uma técnica desprezada por muitos avaliadores de equipamentos, que acabam assim limitando a capacidade de interpretação das qualidades de um equipamento sob avaliação.
Não há metodologia nesse mundo que sobreviva à mera subjetividade.

Neste teste das caixas Q Acoustics Concept 300, a publicação inglesa What Hi-Fi dá mais um exemplo de como as coisas devem funcionar, e apresenta as qualidade de uma caixa acústica sem esquecer de citar as suas limitações, e deixando bem claro que nesta faixa de preços existem outras opções mais indicadas.

Q Acoustics Concept 300 review

Um par de caixas bookshelves inovadoras e complexas testadas na faixa de £ 3000 / $ 4499

  By What Hi-Fi? April 25, 2020

Fonte: https://www.whathifi.com/reviews/q-acoustics-concept-300

NOSSO VEREDITO
Essas inovadoras book  são um triunfo tecnológico, mas não exatamente um produto sônico resolvido

A FAVOR
Agradável palco largo e espaçoso
Muito calor e refinamento
Agora disponível com ou sem suportes

CONTRA
Carece do timing e da dinâmica das líderes desta categoria
As concorrentes são ritmicamente melhores
Esteticamente divide opiniões

A Q Acoustics produziu várias caixas-acústicas conceituais emblemáticas em sua gama nos seus seis anos de vida, mas nenhum refletiu o termo ‘conceito’ tanto quanto este membro mais novo.

As caixas Concept 300 não só se baseiam nas tecnologias inovadoras de drivers e gabinete introduzidas pelas Concept 20s, 40s e 500s, mas também ampliam seu foco além das caixas bookshelves. Os tripés finos sobre os quais essas caixas se acomodam não pareceriam deslocados em uma exposição de arte moderna, mas foram projetados exclusivamente para a Concept 300s. Além disso, agora você pode comprar os suportes separadamente ou economizar £ 500 no preço comprando as caixas sem eles.

Para garantir que tenham o melhor desempenho, as caixas devem ser colocadas em suportes neste nível, esta é uma necessidade absoluta. A equipe de engenharia da Q Acoustics sentiu que poderia melhorar os desenhos convencionais, a ideia de que suportes com áreas de superfície relativamente grandes têm pegada acústica significativa e transmitem muito rastro para uma sala.

Numa tentativa de apoiar melhor as caixas, o suporte de prisma de três pontas de aparência futurista se baseia nos trabalhos de 1960 de Buckminster Fuller sobre “tensegridade” (“integridade tensional”) no domínio das caixas-acústicas.

A estrutura autoportante é composta por elementos de compressão (as hastes de alumínio de sustentação) ou de tração (cabos de aço), e visa reduzir a transmissão de vibrações externas por meio de sua pequena área superficial e alta relação resistência/volume . Cada uma das caixas de 14 kg tem uma placa com mola embutida em sua base, e o tripé é aparafusado nela. Quaisquer vibrações nas molas são convertidas em calor por um material especial de amortecimento.

De acordo com a pesquisa da Q Acoustics, os designs de suportes convencionais vibram três vezes mais acima das frequências de 300 Hz do que seu próprio design de tripé.

Construção

Depois de montados, você pode manipular as caixas com cautela, como faria com peças caras em uma loja de porcelana, mas felizmente eles são estáveis. Sua suspensão mostra uma quantidade razoável de flexão, mas a estrutura permaneceu firme durante o teste.

As Concept não são simplesmente caixas convencionais em novos estandes. Seu driver de médios/graves de cone de papel de 16,5 cm apresenta uma borda de borracha recém-desenvolvida, com um ímã que foi ampliado em cima do design da Concept 500 para ajudar no controle e eficiência de um único alto-falante em um gabinete menor.

O novo tweeter de domo de seda de 28 mm, instalado na parte superior apresenta a técnica de ampla dispersão e isolamento desacoplado desenvolvida para o Concept 500. Este último protege o tweeter das vibrações geradas pela unidade de médios/graves, permitindo que ele seja instalado próximo ao driver de médios/graves para melhor integração.

As Concept 300s também usam as inovações de gabinete da Q Acoustics, garantindo que interfiram o menos possível para o som geral. Como a Concept 500s, eles empregam travas P2P (ponto a ponto), que adiciona sustentação às partes do gabinete que precisam ser reforçadas para torná-las mais neutras. Um material de desacoplamento macio e sem fixação, denominado Gelcore, fica entre as três camadas de MDF do gabinete. Qualquer vibração transmitida através das camadas é simplesmente dissipada em calor dentro do gel.

Por fora, a Q Acoustics manteve sua estética tradicionalmente limpa, contemporânea e minimalista, e embora o público possa dividir opiniões, os gabinetes são lindos. Com 40 cm de profundidade, sua característica está no fato de que soam melhor quando posicionadas um pouco afastadas na sala, mas parecem bem feitos e igualmente bem acabados.

A Q Acoustics tentou ao menos disfarçar essa profundidade aplicando um painel de folheado de madeira na parte de trás do gabinete brilhante. Nossa amostra de avaliação veio em branco brilhante com carvalho claro, mas também há o preto brilhante com jacarandá e turmalina polida com opções de madeira aluminizada disponíveis.

Para evitar o afrouxamento dos parafusos com o tempo, os drivers da Concept 300 são mantidas no lugar pela parte traseira com parafusos com mola de retenção com tensão, que a Q Acoustics diz que manterão seu torque. Os terminais bi-cabláveis ??podem aceitar fios desencapados, espadas ou plugues banana, e um ‘jumper‘ acima deles permite que você ajuste levemente a resposta de frequência em +/- 0,5dB para acomodá-las as condições do ambiente.

Som

Depois de ligada nosso servidor Naim de referência e pré/power Gamut D3i / D200i, a recompensa de todo o trabalho que foi feito nos gabinetes da Concept 300s é imediatamente clara. Certamente há uma sensação de que você não está ouvindo o som dos gabinetes. A quietude das caixas pode ser sentida fisicamente através da falta de vibração durante a reprodução e a impressionante clareza e transparência absoluta da 300s.

A consistência do caráter sônico em comparação com outros alto-falantes Q Acoustics também é reconfortante. Há todo o refinamento e calor que esperamos da marca, apresentado em um palco sonoro aberto que é tão familiar em sua amplitude e espaço impressionantes.

Os graves são surpreendentemente abundantes para uma bookshelf  – especialmente com unidade de médio/baixo de tamanho relativamente modesto – mas também tenso e generoso. Elas não têm problemas para sustentar um violoncelo ou conduzir uma composição com batida forte.

As frequências mais altas na escala não merecem menos elogios, os médios refinados e claros, e os agudos na medida. Tocamos Aldous Harding´s Blend, e o seu vocal que enche a sala tem uma textura aveludada, sua leveza preservada e nuance plana para os ouvidos escutarem. Enquanto isso, o corpo acústico tem uma presença forte que é igualmente presente.

Mudando para o Reckoner do Radiohead e quase podemos sentir os pratos e os percursores, já que a densidade elaborada da composição da faixa funciona a favor da Concept 300s e mostra os seus pontos fortes.

Do início sutil da guitarra, seguido pelo vocal gracioso de Yorke, todos parecem à vontade, capazes de se tomarem espaço sem esbarrar uns nos outros. É uma escala de som, associada a uma organização impecável, que faz com que as Dynaudio Special Fortys, nossas atuais vencedoras nessa faixa de preço, pareçam quase comprimidas em comparação – seu palco sonoro não é tão profundo, nem sua apresentação tão elaborada.

Mas, embora estejamos acostumados com as caixas Q Acoustics, que favorecem o calor e o refinamento em vez da vivacidade total, elas ficam abaixo das Dynaudio quando se trata de impulso rítmico e expressão dinâmica. Nessa faixa, esperávamos mais.

Tocando Headline de Drake, as Dynaudio imediatamente entram em ação com entusiasmo. Elas atacam os sintetizadores com um ritmo forte e uma coesão quase habitual que está faltando na Q Acoustics. As Q não são rápidas ou controlam um ritmo tão bem quanto as Dynaudio, que concluem tudo firmemente como o fim de um romance de Sherlock. Dinamicamente, embora longe de ser estáticas ou desinteressantes, elas também não conseguem subir e descer a níveis tão eficazes.

As Concept 300s respondem com maior cálculo, amplitude incomparável e um calor texturizado que dá corpo aos médios, mas achamos que suas concorrentes apresentam uma audição mais transparente e emotiva. Em última análise, isso sela o seu destino de quatro estrelas nesta revisão.

Veredito

Estas Q Acoustics formam um par inovador de caixas book que, tecnológica e sonoramente, se diferenciam de muitos concorrentes com preços semelhantes. O fato delas não serem as caixas mais empolgantes disponíveis nesta faixa de preço pode prejudicar um pouco essa conquista, mas elas ainda estão entre as caixas mais interessantes que passaram por nossas salas de teste nos últimos anos.

Pontuação

Som 4
Compatibilidade 4
Build 5

 

1 Comentário

  1. Edu, bacana! Você reparou como o site do fabricante não destaca esse review? Somente os com pontuação máxima das mesmas revistinhas de sempre.
    Eu também era assinante da What HiFi. Muito boa, mas ficou muito cara e as edições falhavam. Agora em digital pode ser uma boa. Vou ver isso.

Faça um comentário