Recomendações de Marcas

Quase que diariamente eu sou consultado sobre esta ou aquela marca de equipamentos. Normalmente, são compradores em dúvida sobre suas próximas aquisições. Agradeço a confiança.
Para facilitar, resolvi fazer um resumo aqui de algumas das principais marcas, e de minhas considerações pessoais sobre serem ou não boas opção de compras.

Importante salientar que se tratam de opiniões pessoais, que normalmente envolveram experiências pessoais ou foram resultados de intensa pesquisa entre usuários e publicações mais sérias. Portanto, ninguém é obrigado a concordar com estas avaliações, e pode sempre comparar pessoalmente os produtos que estão em sua lista de intenções de compra.

Se um fornecedor não puder emprestar um equipamento para ser testado em sua casa, o melhor é procurar logo outro fornecedor. Um equipamento que funciona bem na loja pode ser um desastre em sua casa, e o contrário também é válido.

Não sou apaixonado por marcas. É comum ver pessoas defenderem marcas como quem defendem seus times de futebol (eu também não torço para nenhum time de futebol…). Não acredito em unanimidade. Há uma evolução tecnológica constante, e o mercado vive oferecendo novas e excelentes opções a cada ano.
Também não tenho qualquer interesse por esta ou aquela marca. Não possuo vínculos comerciais com os seus fabricantes ou distribuidores, e nem dependo de seus anúncios ou patrocínio.
Cansamos de ver publicações, impressas ou virtuais, que são bastante cuidadosas em suas avaliações, justamente por dependerem de anunciantes ou por possuírem lojas ou representações próprias. É muito difícil, nestes casos, imaginar que houve imparcialidade nos comentários.
Por essa razão não me prendo a nenhuma marca ou fornecedor, pois a imparcialidade e a liberdade de opinião do Hi-Fi Planet sempre foram algumas de suas principais virtudes.
Prova disso é que na maioria das vezes recomendo que o comprador tente trazer o equipamento de uma viagem no exterior, ou comprá-lo pela internet. Os preços praticados no Brasil, com raríssimas exceções, são muito elevados.

Sei que muitos leitores ficarão irritados com algumas opiniões que colocarei aqui, ou porque queria ver seu próprio equipamento mais bem colocado ou por razões de ordem comercial.
Aos primeiros, é importante ressaltar que o objetivo não é desmerecer qualquer marca. Dificilmente o mercado hi-end produz algo ruim. O que existem são opções mais interessantes,  mas isso não significa que uma marca é ruim, mas tão somente que podem existir opções melhores.
Já aqueles que trabalham com as marcas menos recomendadas nesta relação, e que certamente atacarão este artigo diretamente ou indiretamente (através de usuários “fantasmas” de fóruns, sites, comunidades virtuais e outras publicações impressas ou não), já lhes adianto que não me importo com suas manifestações. Este artigo não foi escrito para estas pessoas que estão vinculadas comercialmente ao mercado, mas pode servir para que escolham melhor suas representadas.

Importante mencionar que mesmo uma marca não recomendada pode fornecer boas opções, não estando todos os seus produtos no mesmo nível. Por isso, mais uma vez, é importante sempre realizar seus próprios comparativos, em sua própria sala. As opiniões aqui são colocadas de uma forma generalizada, mais ampla e abrangente, e não pontualmente.

Não tente comparar estas opiniões com outras listas, reviews, comentários de fóruns, de clube de usuários e outras fontes. Muitas marcas investem pesadamente numa imagem que não corresponde exatamente à realidade de seus produtos, e muitas opiniões são bastante contaminadas por interesses diversos. Lembre-se sempre que estas opiniões são feitas num contexto geral, nem sempre abrangendo a totalidade dos produtos do fabricante. É apenas mais uma referência não absoluta para o comprador.

Não é fácil abranger todas as marcas disponíveis hoje no mercado, mas gradualmente buscarei atualizar esta relação.

Dito isto, espero poder contribuir com a decisão daqueles que ficam perdidos em meio a tantas opções, e principalmente a meio a tantas armadilhas.

Marcas Recomendadas

Monitor Audio
Os produtos da inglesa Monitor Audio são de valor excepcional. Suas caixas acústicas são ganhadoras de prêmios em toda a Europa, e agora invadem o mercado americano e brasileiro. São produtos de excelente qualidade, com desempenho realmente digno de figurar no topo das listas de melhores produtos hi-end. Os preços são bastante coerentes, e as opções inúmeras. As caixas PL300, topo de linha do fabricante, superam caixas muito mais caras e tradicionais do mercado.

B&W
A B&W é sinônimo de alta qualidade e desempenho. Praticamente quase todas as listas mais sérias do mundo colocam um ou mais modelos deste fabricante entre os cinco ou dez melhores produtos. A marca investe pesadamente em tecnologias praticamente inimagináveis por muitos fabricantes, como o tweeter de diamante, de fabricação sofisticada, cara, mas de um enorme salto na evolução do componente. O maior problema da marca no Brasil é o seu preço, infelizmente.

Paradigm
Com desempenho próximo aos melhores produtos hi-end, apresenta preços mais acessíveis. A maior dificuldade é sua distribuição irregular e bastante limitada.

Magnepan
Seus preços são bastante acessíveis lá fora, e seus produtos, produzidos nos EUA, são unanimidade em qualidade. É uma pena não termos uma distribuição séria de seus produtos no Brasil. Porém, se você tiver oportunidade de adquirir um modelo desta marca lá fora, aproveite.

Tannoy
A Tannoy já foi mais competitiva no mercado, mas ainda possui produtos de boa qualidade e preços acessíveis. São ainda boas opções de compra.

PMC
Pouco difundida no Brasil, a marca é sinônimo de caixas acústicas de desempenho genuinamente hi-end. Uma compra bastante segura.
No mercado europeu, seus produtos são vencedores de inúmeros testes comparativos, e sempre com grandes elogios.

Acoustic Energy
Já foi mais conhecida no Brasil, mas ainda produz qualidade com preços bastante acessíveis.

Focal JMlab
De origem francesa, seus produtos são muito apreciados no mundo inteiro. Possui uma linha de caixas acústicas fantásticas, mas sua distribuição no Brasil sempre foi bastante irregular. Uma pena, pois seria um forte concorrente para muitas marcas ruins que temos hoje.

Epos
Apesar de ser também pouco conhecida no Brasil, é uma marca muito respeitada por audiófilos do mundo inteiro. Suas caixas acústicas são produzidas com conceitos de simplicidade, mas com desempenho bastante honesto.

ProAc
Outro produto pouco conhecido no Brasil mas com qualidades verdadeiramente hi-end. Era um dos poucos produtos que chegavam no Brasil por preço bastante honestos, similares aos do mercado estrangeiro. Apesar de muitas outras marcas terem investido muito mais em divulgação, tornando-se mais populares, os produtos da ProAc nada deviam em qualidade, e competiam fortemente em preço.

Dali
As caixas acústicas da Dali são muito elogiadas. Possuem preços mais acessíveis, e resultados bastante satisfatórios, principalmente nas linhas superiores. Uma escolha bastante segura.

Spendor
Eu colocaria esse fabricante no mesmo grupo da ProAc e da Epos. Caixas acústicas de respeito, de ótimo nível hi-end, mas pouco conhecidas por aqui. Mereciam bem mais destaque.

Opera
Outro fabricante de boas caixas acústicas, mas não é para todos os gostos. Precisa de um sistema bem casado para conseguir o melhor desempenho, mas são bem recomendadas e vencedoras de prêmios no exterior.

Mordaunt-Short
Fabricante renomado de caixas acústicas de excelente nível. Infelizmente, não possui uma representação adequada no Brasil.

Wilson Audio
Uma referência mundial em caixas acústicas. Outro fabricante que coloca muitos de seus produtos nas melhores posições das mais respeitadas listas mundiais. A qualidade legitimamente hi-end é encontrada em toda a linha do fabricante, inclusive em seus excelentes subwoofers. Um dos mais respeitados fabricantes de caixas acústicas do mundo. Recomendação segura para quem pode pagar o alto preço de seus produtos.

Totem
Pouco conhecida por aqui, mas respeitada no exterior por fabricar caixas acústicas de ótimo desempenho e preços honestos.

Mission
Sério fabricante de caixas acústicas que produz qualidade para audiófilos exigentes.

Sonus Faber
Outro fabricante que tem muito a oferecer. Produtos sérios, porém sem uma adequada distribuição no Brasil.

Revel
Outro fabricante de caixas acústicas que produz qualidade para o audiófilo exigente. Já teve uma distribuição melhor no Brasil.

Harbeth
Antiga marca de caixas acústicas que fez história com modelos de referência até em estúdios. Infelizmente não possui uma distribuição adequada no Brasil, como inúmeros outros fabricantes.

Thiel
Produz caixas acústicas sérias, muito respeitadas por audiófilos exigentes.

Magico
Pouco conhecida por aqui, é bastante elogiada no mundo inteiro. Suas caixas acústicas são legítimas representantes do conceito hi-end de produtos.

Vandersteen
Outro fabricante de caixas acústicas que merecia uma boa representação em nosso país. Infelizmente, o mercado brasileiro é bastante limitado em termos de marcas. Houve um crescimento inegável de opções, mas ainda há uma carência de marcas importantes. Porém, pior do que isso, são as marcas que chegam supervalorizadas, com preços que acabam afastando o consumidor de bons produtos.

YG Acoustics
Vem causando muita empolgação no mercado internacional com caixas acústicas estado de arte. Produtos de alto nível hi-end.

Velodyne
Ainda uma referência em subwoofers de qualidade para aplicação em áudio sério. Qualidade no nível dos melhores da Wilson Audio, REL e B&W.
A escolha do modelo deve ser feita com cuidado. Melhor sempre testar antes na sua própria sala.

MBL
Produtos caros, mas de excelente qualidade. Uma ótima aquisição.

Arcam
Parece que os ingleses sabem das coisas. A Arcam é um sério fabricante de produtos com excelente desempenho hi-end e preços bem coerentes. Uma compra bem segura.

Cambridge
Veio mesmo para revolucionar. Produtos de excelente nível com preços bastante honestos e acessíveis. Uma das melhores opções do mercado atualmente.

Denon
Recomendado, mas nem tanto. Ainda possui opções acessíveis com desempenhos aceitáveis, mas se não se renovarem, podem começar a perder o mercado.

Marantz
Mantém a tradição de fabricar produtos de excelente qualidade. Sempre uma aquisição bastante feliz.

Rotel
Assim como a Denon, pode perder o seu espaço se não houver uma renovação. Mas, continua sendo uma boa opção.

NAD
Bons produtos e com preços bem acessíveis. Pode não estar com os dois pés no universo hi-end, mas é uma boa opção para os iniciantes.

Pro-ject
Uma marca séria e que merece respeito pelos seus produtos bem feitos e com excelente desempenho.

Rega
Continua sendo uma referência de mercado. Seus toca-discos de vinil, CD e DACs continuam surpreendendo. Possui boas cápsulas de toca-discos por preços bem interessantes (pelo menos lá fora… aqui tudo é diferente…).

Yamaha
Possui opções para todos os gostos, e apesar de não tem forte vínculo com o Hi-End, consegue fornecer alguns produtos com bom desempenho e preço acessível. É preciso escolher com atenção para fazer uma boa compra. Ficaria na divisa dos dois grupos.

Audiolab
Vem crescendo de forma bastante consistente no mercado internacional. Alguns produtos estão conquistando a melhor posição em vários comparativos. Convém, apenas, manter distância dos produtos mais antigos.

Cyrus
Inexplicavelmente uma marca sem muito prestígio no mercado brasileiro, mas bastante competitiva na Europa, com produtos de excelente desempenho e preços justos.

Roksan
Excelentes produtos. Tecnologia, desempenho e preço para concorrer tranquilamente em sua faixa. Uma compra tranquila.

dSC
Produtos muito caros, mas de alto nível hi-end. O sonho de muitos audiófilos.

Esoteric
Produtos excelentes, com construção e desempenho exemplares. Uma aquisição bastante segura.

Classé
Sempre uma boa referência, mas com péssima distribuição no Brasil.

Musical Fidelity
Excelentes produtos com desempenho de alto nível. Uma excelente aquisição.

Exposure
Há muitos anos tem sido sinônimo de qualidade. Pouco conhecida no Brasil, disputa um mercado onde figuram marcas como Cambridge, Creek, Arcam e outras de igual prestígio. Outra excelente opção. Infelizmente, possui uma linha bem limitada de opções, porém sempre elogiáveis.

Leema
Infelizmente sem representação eficiente no Brasil, mas merecia participar do mercado com seus produtos de ótima qualidade e desempenho.

Moon
Produtos caros, mas com desempenhos exemplares. Uma compra segura para quem quer adquirir um legítimo equipamento hi-end.

Wadia
Ainda uma ótima opção hi-end, mas precisa evoluir, pois os concorrentes estão chegando perto e com preços mais atraentes.

Meridian
Outra respeitada e conceituada marca hi-end. Produtos caros, mas com um desempenho superior.

Audio Technica
Muita variação de qualidade e desempenho em seus produtos, mas ainda possui alguns modelos bem interessantes. É preciso pesquisar antes de comprar.

Clearaudio
Seus toca-discos de vinil são surpreendentes. Uma marca bem firmada no mercado de áudio hi-end.

Michell Engineering
Exemplares tocadores de vinil. Alto desempenho e qualidade robusta. Uma excelente opção.

Ortofon
Boas opções de cápsulas para vinil e com uma ampla faixa de preços para todos os bolsos (pelo menos lá fora).

Linn
Excelentes produtos. Recomendados. Um cuidado apenas com os preços no Brasil.

Thorens
Possui alguma variação de desempenho em sua linha de modelos, mas ainda se mostra uma ótima opção.

Pioneer
Bons produtos (mais voltados ao hi-fi), mas com grande variação de desempenho, ao menos compatível com os preços praticados (pelo menos no exterior).

Creek
Uma história de sucesso feita com produtos de excelente desempenho e com preços bastante interessantes. Uma dos nomes mais recomendados do mercado de áudio.

Onkyo
Ainda uma marca respeitável, porém mais forte no mercado de receivers.

Russ Andrews
Produtos surpreendentes com preços interessantes, mas não encontrados no Brasil. Seu forte são os cabos de força.

Pangea
Cabos de força de alta qualidade e com preços muito acessíveis. Bastante recomendados.

Chord
Excelentes produtos. Cabos excelentes e preços bastante interessantes.

QED
Uma das melhores opções de cabos do mercado. Inexplicavelmente sem representação no Brasil, onde poderia fazer o mesmo estrondoso sucesso que faz na Europa.
Muito recomendados para todos os sistemas.

Connex Audio
Cabos em prata. Marca ainda pouco conhecida, mas o desempenho de seus cabos é surpreendente, deixando para trás marcas muito famosas. Os preços são bastante justos.

Wireworld
Bons produtos por preços honestos. Muitas marcas bem mais caras oferecem menor qualidade.

Kimber
Ainda uma boa opção, mas precisa evoluir logo. O mercado já oferece produtos similares com preços bastante competitivos.

Atlas
Ótimos cabos e opções (e preços) bem variadas.

Grado
Excelentes produtos, e fones de ouvidos de altíssimo nível hi-end. Recomendada com méritos.

AKG
Grande variação de qualidade. Sabendo escolher, pode ser uma boa opção.

Sennheiser
já foi melhor, mas ainda é possível adquirir modelos com qualidade. Vale a pena fazer uma boa pesquisa se optar por esta marca.

.

Marcas (menos) Recomendadas

KEF
Não é para todos os gostos. Possui alguns produtos que merecem algum destaque, mas existem opções bem mais recomendadas.

Triangle
Outro fabricante francês que chegou a ter forte presença no Brasil. Apesar de ter alguns produtos de sucesso, sua linha era bastante irregular e de gosto bastante discutível. Existem opções melhores.

Dynaudio
Amada por alguns, odiadas por outros, a Dynaudio perdeu bastante mercado para fabricantes que investiram muito mais em tecnologia. Com forte propaganda no Brasil, ainda são bastante populares. No mercado mundial vem perdendo muitas posições para outros fabricantes, o que se traduz em fraco desempenho em muitos testes comparativos. Suas caixas mais antigas envelheceram muito rápido em relação às exigências atuais dos equipamentos eletrônicos. Existem opções mais recomendadas e mais baratas hoje.

JBL
Vai de um extremo ao outro. Possui caixas que estão entre as melhores do mundo, e outras bastante medíocres. Nesta linha tão irregular de qualidade, é sempre mais recomendável investir em marcas mais seguras e com qualidade mais homogênea. Não são todos que gostam da sonoridade de seus produtos. O mercado oferece opções mais interessantes.

Wharfedale
Possui algumas similaridades com os produtos B&W, e às vezes dá mesmo a impressão de inspiração naquele fabricante. São bons produtos, mas não o suficiente para que possuam o destaque necessário na hora da compra.

Cabasse
Já foi mais conhecida por aqui. O mercado mundial possui opções mais interessantes, tanto em preço como em qualidade.

Boston
Não são caixas ruins, mas envelheceram em relação aos concorrentes. E a evolução tecnológica é implacável. É possível encontrar opções mais interessantes por preços mais acessíveis.

BSA
Fabricadas pela Bravox do Brasil, estas caixas acústicas já estão disponíveis no mercado internacional, inclusive com alguns modelos já avaliados por publicações européias. Podem evoluir muito, mas ainda não são as melhores opções.

SVS
Fabrica subwoofers muito apreciados pelos que gostam de graves sem muitos compromissos. Mais indicados para sistemas de home-theater. Existem opções mais econômicas.

Klipsch
Eu colocaria as caixas acústicas da Klipsch no mesmo patamar da JBL e KEF. Existem opções mais seguras.

Jamo
Outro fabricante de caixas acústicas que precisa alcançar a concorrência.

Furutech
Famosa mais pelo seu investimento em imagem do que pela competitividade. Existem opções melhores.

Teac
A variação de qualidade e desempenho de seus produtos é muito grande. Recentemente este fabricante tem se esforçado para apresentar uma linha de produtos mais consistente. Existem outras opções mais seguras.

Oppo
Muito famosa em alguns meios. Forte no mercado de vídeo, mas deixa a desejar no campo do áudio, onde encontramos produtos mais consistentes em qualidade e desempenho. Apresenta inúmeros problemas técnicos. Mas, ganha em versatilidade para quem quer um “faz tudo” sem muito compromisso.

Naim
Bons produtos, mas pelos preços que pratica, existem opções melhores ou similares.

Bryston
Bons produtos, porém caros e com similares bem mais acessíveis. Tecnicamente uma boa compra, comercialmente uma opção não tão interessante.

DarTzeel
Preços muito altos por produtos com opiniões divididas. O mercado oferece opções mais acessíveis com qualidade e desempenho mais seguros.

Electrocompaniet
Produtos caros demais, muitas vezes superados pelos concorrentes por preços que chegam à metade. A grande e massiva propaganda eleva o prestígio da marca, mas existem muitas opções melhores e mais acessíveis.

Benchmark
Já foi referência no mercado de DACs, mas com a proliferação repentina de novos modelos, a concorrência tem apresentado soluções interessantes por preços bem mais acessíveis.

Primare
Já teve a sua época, mas precisa evoluir para recuperar o espaço perdido.

Gamut
Já teve o seu melhor momento no mercado, mas hoje deixa a desejar diante de uma concorrência com produtos mais interessantes em desempenhos e preços.

Krell
Um forte competidor de mercado, mas não faz por merecer totalmente a sua fama. Produtos caros e com alguns problemas de desempenho e qualidade não colocam a marca numa posição de igualdade com os melhores do mercado. Existem outras opções.

Parasound
Muita fama e estranhos elogios a produtos de construção bem duvidosa e qualidade facilmente superada pela concorrência.

Plinius
Bons produtos, mas existem opções mais interessantes, principalmente em preço.

Quad
Teve a sua época. Precisava evoluir. Foi um ícone do hi-end, mas hoje perde para os competidores de mercado.

Ecosse
Existem opções melhores. Já teve excelentes produtos, mas parece não ter evoluído com o mercado.

Monster
É difícil escolher um produto da Monster. A qualidade é boa, são bem acabados e robustos, mas o desempenho varia demais.
Existem opções mais interessantes com uma linha mais homogênea. Melhor não arriscar. Pode ser uma boa opção para sistemas pouco exigentes.

Van Den Hul
Bons produtos, mas a concorrência oferece mais por menos.

Nordost
Muito investimento na grife, mas os seus produtos têm preços elevados não acompanhados por um compatível desempenho real. Existem muitas opções melhores por preços mais realistas.

Audioquest
Existem opções mais interessantes, tanto em desempenho como em preço.

.

Importante salientar aqui que todas as marcas acima são sérias  e de bom nível.
O objetivo deste artigo foi apenas separar por importância, colocando no primeiro grupo as mais recomendadas, e no segundo o que deve ser a segunda opção, ou então aquela que melhor atende ao seu gosto pessoal.
Portanto, com o devido respeito a qualquer outra opinião divergente, a intenção foi apenas ajudar o futuro comprador de novos componentes para o seu sistema de áudio, já que inúmeras são as consultas que recebemos neste sentido.
Mas, é saudável conhecer outras opiniões e, principalmente, ter a sua própria, baseada em sua experiência pessoal ouvindo e comparando os modelos.
É preciso levar em conta o gosto pessoal. Conheço um amigo que coloca açúcar no vinho tinto. Segundo ele, o vinho fica bem melhor assim, e o natural, ainda segundo ele, é intragável e “azedo”.
Não sou eu quem vai beber esse vinho. É ele. E, portanto, deve prepará-lo como melhor lhe agrada, e ponto final. Isso não se discute mais.

Sei que muitos se mostrarão indignados com um determinado produto numa ou noutra lista, que existem reviews dizendo isso ou aquilo, que este ou aquele produto ganhou um ou outro  prêmio, que já comparou pessoalmente a marca A com a B, que esse ou aquele comentário é um disparate, mas, em defesa do Hi-Fi Planet, o que posso dizer é o seguinte:

1. Não temos anunciantes ou patrocinadores de nenhuma das marcas citadas ou de qualquer outra.
2. Não mantemos páginas inteiras e periódicas de anúncios de qualquer fabricante ou distribuidor.
3. Não possuímos lojas, não realizamos eventos, feiras ou encontros de qualquer natureza envolvendo produtos e marcas.
4. Não recebemos nenhum centavo para manutenção deste site, que é mantido apenas por prazer pessoal pelo hobby.
5. Não precisamos preservar a imagem de nenhuma marca, para agradar amigos ou clientes.
6. Nossas opiniões refletem pesquisas sérias ou testes realizados pessoalmente, com critérios adequados e sem os vícios normalmente vistos em outras avaliações.
7. Não nos importamos com grifes ou prestígio de marcas para a realização de qualquer avaliação.
8. Não nos importamos com críticas de quem, abertamente ou disfarçadamente, tenha um interesse conflitante com a nossa opinião.
9.  Não vendemos nada em nosso site
.
10. Nosso compromisso é com o audiófilo que não quer cair nas pilantragens de um mercado confuso, predador, interesseiro e fantasioso, e precisa gastar certo para não ter que gastar sempre e errado.

São apenas 10 motivos, mas poderíamos fazer uma lista bem maior. Porém, acabaríamos evidenciando algumas práticas “pouco admiráveis” do mercado, e não é nosso objetivo ofender ninguém.

Esperamos ter contribuído um pouco mais, com mais este artigo, para o amadurecimento deste nosso mercado tão “confuso”.



69 Comentários em Recomendações de Marcas

  1. Que feliz final de domingo com a surpresa de que havia um novo texto publicado no hifiplanet.
    Meu caro articulista, você deve ter poucos amigos pelo jeito … kkkk….
    Mais um artigo bem curioso, e sincero.
    Concordo com quase tudo, mas como o sr. citou, opiniões divergem.
    Eu incluiria no primeiro grupo a marca Hansen, que tive o privilégio de ouvir e gostei muito. Tiraria ainda do primeiro grupo a Paradigm passando-a para o segundo grupo. Por último eu subiria a Krell para o primeiro grupo. Mas concordo com você que a Krell tem alguns problemas de qualidade. Tive um amplificador da Krell que praticamente torrou de tanto calor e não teve mais conserto. Mas a sua sonoridade é fantástica. Mas talvez o sr. tenha razão, é preciso avaliar todo o conjunto. De nada adianta tocar bem se não toca.
    No que toca (mero trocadilho) ao restante, eu não faço qualquer correção. Está perfeito. Muito bem colocado. O hiend está mudando, e muitas marcas estão ficando para trás.
    O sr. tem que ouvir a Hansen. É fantástica.
    Agora veja, o editor da Clube do Audio disse que com essas caixas ouviu coisas que nunca ouviu com as Dynaudio top de “Referência” dele.(por aí vemos o quanto as suas caixas estão desatualizadas mesmo) E o pior é que ele continua usando as “Referências” para testes. Uma contradição, não? O mesmo que testar um blu-rauy com tv hd e não full. Como confiar nestes testes? Bem, a resposta está em seu texto acima nas entrelinhas.
    E essas Hansen que ele ouviu nem são o top do fabricante. Está na hora do editor “especialista” atualizar as suas marcas, não está?
    Parabéns por mais esta abordagem.
    Continuo em QAP.
    Parabéns.

  2. Caro Gabriel,

    Obrigado pelas considerações.
    O objetivo aqui não foi realizar uma avaliação de valores, mas de opções e prioridades.
    A tecnologia evolui rapidamente. Como o Sr. mencionou, não é possível avaliar o desempenho de um Blu-ray player numa televisão projetada há mais de 7 anos, como no caso das caixas do referido avaliador.
    Vou mais longe, 4 ou 5 anos já têm sido o suficiente para tornar equipamentos defasados tecnologicamente, o que naturalmente reflete em seu desempenho.
    Um dia testei várias caixas acústicas do mercado, e acabei optando em construir as minhas próprias caixas. Parece que, exceto alguns raros fabricantes, a grande maioria não tem acompanhado a evolução. Para obter o desempenho que tenho hoje com as minhas caixas, teria que desembolsar uma pequena fortuna nas poucas caixas “atualizadas” do mercado.
    Grandes fabricantes de 6 ou 7 anos atrás estão perdendo terreno para a ousadia técnica de novos fabricantes.
    Minhas caixas já sofreram uma atualização com menos de 1 ano de vida, e já tenho outra programada para meados do próximo semestre.
    Raros são os tradicionais fabricantes que estão atualizando seus equipamentos.
    Concordo que a Paradigm também já começa a dar sinais de envelhecimento, mas ainda está no páreo com preços acessíveis, mas não podemos negar que ela já perdeu muito terreno.
    Não tive a oportunidade de ouvir as caixas da Hansen ainda, nem encontrei ainda avaliações confiáveis para crer nas suas virtudes. Quando tiver esta oportunidade, certamente atualizarei esta relação.

    Obrigado pela sua participação.

  3. Prezado Eduardo,

    Muito interessante e bem didática a sua abordagem. Certamente o seu objetivo será atingido.
    Sou apaixonado pelo áudio de alta-fidelidade há muitos anos, e quase todos os meus equipamentos foram comprados em viagens que fiz pela Europa. Lá fora notamos esse fenômeno que está implícito em seu artigo. Muitas marcas tradicionais estão se defasando tecnologicamente, e outras estão despontando rapidamente, principalmente no mercado inglês.
    Sou da opinião que os melhores equipamentos de alta-fidelidade podem ser obtidos na Inglaterra, e são equipamentos com sonoridade muito distinta dos similares italianos, franceses, dinamarqueses, americanos ou de outras regiões.
    Os ingleses estão se mostrado mestres na arte de produzir excelentes equipamentos, e sou fã de muitas marcas que você citou.
    Se eu puder colaborar com uma sugestão, diria a quem está adquirindo seu primeiro equipamento, ou substituindo o atual, a ouvir um bom equipamento inglês.
    Antes que me julguem mal, sou italiano e adoro a Itália, mas a verdade tem que ser dita.

    Seu site é bastante interessante e foge do tradicional. Diria que sua abordagem é inédita, não só no Brasil, mas no mundo.
    Já vi sites críticos como o seu, mas sempre com laços comerciais.
    Gostaria de parabenizá-lo por manter este site com essa qualidade, com recursos próprios, de contexto imparcial e posição neutra.

    Se me permitisse fazer apenas uma única crítica, mesmo envergonhado de lhe pedir isso pois imagino a dificuldade de manter este site, seria que sua atualização fosse mais frequente, pois às vezes ficamos semanas sem qualquer novidade. Escreva pelo menos um “olá”. Assim temos a tranquilidade de saber que o site ainda está vivo, pois é impressionante a quantidade de bons sites que foram abandonados pelo tempo.
    Comecei a usar computador já com quase 50 anos de idade, e acho que esta é uma das maiores ferramentas que temos hoje quando buscamos informações interessantes e úteis como estas encontradas em seu site.

    Como faço para fazer uma doação para ajudá-lo a manter este site? Isso é uma prática bastante comum hoje, e acho que não lhe ofenderia com isso.

    Muito obrigado,

    Um grande abraço deste leitor assíduo,

    Luis C. T. Camargo

  4. Prezado Luis,

    Obrigado por prestigiar este espaço.

    Não sou dono da verdade, o texto acima reflete apenas observações pessoais e outras obtidas em publicações especializadas e sérias, que ainda encontramos nesta confusão que virou o universo do áudio hi-end.

    Agradeço, também, pela sua generosidade, mas não aceitamos qualquer colaboração financeira para manter o Hi-Fi Planet.
    Este site é apenas um hobby, não o lugar de onde tiro o meu sustento ou que colabora com ele de alguma forma. E acredite, não custa muito manter um site como este.
    Se algum dia eu aceitar qualquer colaboração financeira, abrir uma loja neste segmento, prestar alguma assessoria paga, publicar anúncios ou realizar eventos ou cursos pagos nesta área, acredite, é melhor deixar de frequentar este espaço.
    Evitar tudo isso é a única forma de manter sua imparcialidade e confiabilidade, que certamente se confundirão se ele vier a tornar-se parte de um negócio rentável.
    Prefiro mantê-lo desta forma.

    Um abraço,

    Eduardo

  5. Olá Wellington,

    Não tive contato suficiente com os produtos mais recentes destas marcas para emitir uma opinião segura.
    Quando garoto, tive algumas caixas Lando, e gostava delas como produtos hi-fi. Cheguei a adquirir tweeters da Lando na época para montar minhas próprias caixas. Eram tweeters que, para aquela época, tinham um desempenho muito bom.

    Abraço

  6. Escreveu o que muita gente pensa, mas não tem coragem de dizer.
    Algumas colocações são perfeitas, parece que vc leu as nossas mentes, mas não gostei de 3: Furutech, Ecosse e VDH.
    Ecosse até pode ter parado no tempo, mas Furutech e VDH são marcas consagradas e que não tem mais nada a provar para ninguém, estão no topo.
    Hi Fi Planet é uma das melhores coisas que aconteceram no mundo do áúdio, muito massa!!!!

  7. Excelente artigo, como sempre.

    Meu caro Eduardo, sou um apaixonado pelo áudio há muitas décadas, e já fui colaborador e avaliador de equipamentos.
    Nunca, jamais vi um artigo tão interessante como este. O que vejo em revistas e fóruns é justamente o contrário, cada um querendo defender o seu interesse.
    Se essa discussão fosse mais ampla, um dia conseguiríamos separar o joio do trigo. Mas, infelizmente, parece que o consumidor hoje se vê fascinado e hipinotizado por marcas e aparências, acreditando em reviews absurdos, desonestos e fóruns recheados de bobagens de todo o tipo.
    É o que você sempre menciona, se houver qualquer ligação comercial, a confiabilidade acaba.
    Acho que atualmente você é a referência do novo mundo hi-end que está chegando, deixando para trás os velhos conceitos, opiniões, sites, fóruns e revistas feitas pelos seus envelhecidos e desatualizados colaboradores. Você já é hoje o ídolo do consumidor mais sério e consciente, que busca informação verdadeira e útil.

    Depois de ler estas recomendações, num primeiro momento não concordei com uma ou outra escolha, mas depois de uma leitura mais cuidadosa acabei entendendo a idéia, e percebi que as escolhas tinham mais a ver com a “melhor compra” do que com o fato de ser ou não necessariamente uma boa marca. Perfeita a sua idéia.

    Ainda assim, como ex-proprietário da marca Dynaudio, gostaria de acrescentar um pouco mais aos seus comentários neste caso específico. Uma das referências que me causou certa resistência inicialmente, mas que tenho história.

    Durante muitos anos a Dynaudio deitou e rolou na sua fama, e seus produtos eram realmente muito bons.
    Minha primeira caixa Dynaudio era da linha Contour antiga, mais tarde tive um modelo da série Focus, e depois Confidence e Evidence, estas últimas há 3 anos.
    Na série Focus eu já sentia que a Dynaudio já começava a se distanciar dos demais fabricantes, mas foi com a Evidence Temptation que ficou claro para mim que a marca já havia se distanciado muito das exigências das novas tecnologias de fontes e amplificadores.
    Não quero fazer propaganda da minha marca atual, em respeito à imparcialidade que o Sr. preserva neste espaço, mas pela metade do preço consegui mais que o dobro de qualidade.

    Como apaixonado e defensor das Dynaudio, e tendo possuído um dos modelos mais conceituados do fabricante, o choque realmente foi grande.
    Isso me entristeceu, pois achei que tinha caixas definitivas, mas como o Sr. cita em seus artigos, nada é definitivo, aliás, bastam poucos anos para o melhor dos equipamentos ser superado.
    Acredito que o problema da marca foi a falta de investimento em novas tecnologias, insistindo em seus falantes de uma época em que eram realmente as opções da maior parte do mercado. Porém, a evolução veio de forma rápida, e os concorrentes começaram a desenvolver tweeters metálicos de alta velocidade, ou com domos de diamante, berílio, ribbon, etc. Sabemos hoje que o tweeter de seda é bastante limitado, nunca atingindo os extremos que a Dynaudio ainda fantasia em suas especificações. Sequer teve o fabricante o cuidado de incluir um super tweeter em suas caixas, mesclando o domo de seda com um ribbon, por exemplo, como o Sr. próprio fez em suas novas caixas (outro excelente trabalho – parabéns), assim como alguns outros fabricantes. É inegável a evolução que ocorreu na reprodução dos agudos, com mais qualidade e extensão graças aos novos padrões de gravação e de amplificação. Ganharam mais importância.
    Os médios, que até então eram uma das qualidades da Dynaudio, também foram superados por falantes cada vez mais atuais, e o mais curioso, muitos fabricados por empresas independentes da própria Dinamarca. Algo incompreensível.

    Nunca achei os graves das caixas da Dynaudio exemplares. Pelo contrário, acho que ela utiliza um artifício para fortalecer as frequências médias baixas causando uma falsa sensação de graves fortes, o que já foi comprovado por medições objetivas de alguns avaliadores mais sérios.

    Mas, a Dynaudio vem tentando recuperar o terreno perdido. A Focus 380 é uma prova disso. Mesmo utilizando seus já ultrapassados conceitos, o fabricante conseguiu um bom resultado. Tive a oportunidade de ouvir este modelo em pré-lançamento na Europa, e apesar de ainda estar atrás das tecnologias mais ousadas de seus concorrentes, foi uma caixa que me agradou. Não compraria, pois ainda temos opções superiores por preços mais acessíveis, como as aquelas que o Sr. mesmo citou.
    Consiga a Dynaudio quebrar este vínculo com o antigo, optando por componentes mais modernos, e voltaremos a ter em breve boas opções deste fabricante.

    Eu guardo saudades do que este fabricante já foi um dia, e num primeiro momento vê-lo colocado na segunda relação elaborada pelo Sr, me causou alguma decepção e indignação, mas depois pensei comigo : “esta foi a sua história”. Eu mesmo acabei trocando de marca, então a sua colocação reflete o que eu próprio passei.

    Parabéns pela honestidade e clareza de suas idéias. Esta foi mais uma brilhante sacada deste site genial.
    Aliás, como assíduo frequentador do mundo hi-end, te digo que este seu site já causa muito incômodo a muita gente, por sorte, merecidamente.

    Boas festas, Um Feliz Natal e um Ano Novo com Muita Paz, Saúde e Prosperidade, e que este site continue nos oferecendo estas ótimas surpresas por muitos anos novos…

    Um abraço.

  8. Olá Marcos.

    Agradeço as suas palavras.
    Importante ressaltar que algumas seleções foram baseadas no custo/benefício da marca, ou seja, ela pode oferecer bons produtos, mas talvez não seja a melhor opção do momento, ou seja, podemos encontrar opções melhores por preços mais interessantes.

    Um abraço,

    Eduardo

  9. Meu caro Vinícius,

    Por favor, esta coisa de Sr. é muito formal. É um prazer tê-lo aqui participando deste site.

    Agradeço muito as suas considerações e a sua contribuição para o tema.
    Este é o verdadeiro objetivo do artigo. Não quis relacionar “O Que Presta” e “O Que Não Presta”.
    A idéia foi ajudar aqueles que sempre me questionam sobre essa ou aquela opção.

    O mercado está mudando rapidamente, como seu exemplo nos mostra.
    No passado, um televisor Colorado, Philco ou Telefunken estavam no auge das escolhas. A Oppo nem era conhecida e somente os ricos tinham Marantz. As coisas mudam, e temos que acordar para estas mudanças.

    Um abraço,

    Eduardo

  10. Olá Samuca,

    Como citei no artigo, não incluí todas as marcas mais conhecidas, mas apenas algumas.
    Espero complementar esta lista com o tempo. Também não quero ser leviano a ponto de julgar esta ou aquela marca sem alguns subsídios que considero essenciais para maior precisão das escolhas.

    Não entendi o que você quis dizer com “conclusivas”.
    Se for no sentido de “definitivas” e obrigatoriamente seguidas como uma cartilha de compras, então a resposta é não.
    Tratam-se de opiniões pessoais, baseadas no que já testei ou aprendi em fontes realmente sérias.
    Mas, nada impede que alguém tenha uma opinião diferente e prefira uma marca da segunda lista sobre a primeira, e isso é muito normal.
    Estas sugestões são orientativas, e não definitivas, até porque nenhuma opinião é definitiva.

    As duas relações são de equipamentos do mais alto nível. A ordem de importância é mais de desempate do que de valor significativo.
    Vamos imaginar o seguinte: temos dois equipamentos iguais, com os mesmos recursos e qualidades, assistência e garantia idênticas, de desempenhos idênticos, da mesma cor e do mesmo tamanho, até o cheiro é igual, e etc… etc… etc…. Qual comprar? Bem, que tal o mais barato? Entendeu?

    Quando menciono, por exemplo, que na segunda relação um equipamento (marca) não evoluiu tanto como o da primeira lista, não significa que ele está totalmente obsoleto e “imprestável”, mas tão apenas que o outro está um passo adiante (ou meio), e escolha por escolha… advinhe !!!

    Não se preocupe em ter opiniões diferentes. Todos têm. Não existe consenso entre usuários de fóruns, publicações impressas, sites, revendedores, avaliadores, etc, porque haveria te ter aqui?
    E não falo isso somente em relação ao áudio e vídeo, mas acontece com automóveis, vinhos, roupas, programas de TV, etc… Nem críticos de cinema coincidem sempre as suas opiniões.
    Como advogado, te digo, mesmo com tantas leis, tantas decisões já existentes e tantos debates jurídicos, as sentenças mudam de Juiz para Juiz. Imagine aqui onde não existem “leis” para estabelecer os parâmetros de nosso hobby.

    Abraços

    Eduardo

  11. Oi Eduardo.

    No mundo do áudio existem tantos absurdos…muitas vezes os equipamentos são qualificados pelo preço. As condições de contorno também são quase sempre desprezadas nas avaliações. Existem testes “cegos”? vc conhece alguém ou alguma publicação especializada que realiza este tipo de avaliação? – com certeza iríamos ter surpresas.

    Excelente texto, mesmo sendo um proprietário satisfeito da KEF (heheheheh…)

    Grande Abraço.

  12. Olá Smeagol,

    Teste cego é algo que muita gente foge. Já vi cada absurdo envolvendo este tipo de teste, de deixar muitos “entendidos” com vergonha.
    Não precisamos ir muito longe, basta ver alguns exemplos aqui do que um instrutor de cursos de percepção já aprontou, elogiando palco sonoro com caixa desligada, valorizando virtudes de cabo que acabara de chamar de “vagabundo”, de elogiar uma caixa sendo que era outra que estava ligada…
    Imagine a situação de um teste cego, onde o que vale mesmo são os seus ouvidos e mais nada.
    Seria mesmo bem interessante.

    Sobre a KEF, por favor… os equipamentos da segunda lista não são ruins. A idéia foi o desempate, e envolveu preço, opções, desempenho e outros pontos.
    Eu quase coloquei a B&W na segunda lista pelo preço absurdo delas no Brasil, porém, lá fora, até que eles são bem razoáveis.
    Considero a KEF Muon uma obra prima. O que é aquilo?
    Ela tem excelentes produtos, mas divide gostos. Existe muita coisa boa no mercado hoje e com preços bem atraentes (uma pena que alguns tentam esconder isso).
    Se você está satisfeito com as suas, é o que basta, e danem-se as minhas opiniões… rsrsrs….
    A idéia foi mais ajudar aqueles que me enviam e-mails diariamente perguntando o famoso “… esse ou aquele?…” Não tenha dúvidas de que audiófilos mais avançados, certamente, saberão fazer as escolhas corretas entre qualquer uma das marcas aqui mencionadas. Afinal, são todas muito boas, e isso é indiscutível.

    Um grande abraço,

    Eduardo

  13. Prezado Eduardo,

    Quais são as melhores caixas torre nacionais de nível de entrada, que possam ser usadas com amplificador antigão gradiente model 360? Especialmente para a audição de música clássica.

    Grato,

    José Eduardo

  14. Olá José Eduardo

    Difícil essa… você ouve mais vinil ou CD? Qual o restante do seu equipamento?
    Qual o tamanho de sua sala e em qual lado ficarão as caixas? Você ouve volumes muitos altos?
    Você pretende mudar o seu sistema em breve?
    Me passe um e-mail: tec@hifiplanet.com.br

    Abraço,

    Eduardo

  15. Eduardo,
    É difícil acreditar que você coloque a Electrocompaniet como segunda marca. Em seus textos você comenta que existem contradiçõs de opiniões sobre esta marca em revistas inglesas como a what hifi e outras. O engraçado é que leio estas revistas e não vejo o que você vê. Pelo contrário, o DAC da Electrocompaniet que você diz terem outros melhores mais baratos está no mesmo nível dos demais. Será que estamos lendo as mesmas revistas? Ou será que o problema é de gosto pessoal mesmo.
    Tenho um DAC PD1 modelo atual da Electrocompaniet e ele é ótimo, como todos os produtos do fabricante. Quanto ao preço, é mais caro sim, justamente por ser melhor. Isso é uma condição do hiend que não tem como mudar. Quer qualidade então pague mais por isso..
    Leia com mais atenção antes de escrever.

    (espero que publique esta crítica já que você diz que seu site é democrático)

  16. Caro Spider,

    Provavelmente você está lendo uma revista “pirata”, ou nem está realmente lendo a What Hi-Fi.
    Não tenho essa coisa de valorizar gostos pessoais. Pelo contrário, chego mesmo a criticar produtos que eu possuo.
    O fato da marca citada estar na segunda lista não significa necessariamente que ela é ruim, mas que existem opções mais interessantes (justamente a primeira lista…). Mas, no caso do modelo citado, eu não o recomendaria em nenhuma cisrcustância, por isso neste artigo ressalto que ainda é importante avaliar cuidadosamente o modelo desejado, independente de qual lista ele esteja.

    Se você realmente possui as edições da What Hi-Fi, achará um teste completo sobre o modelo que mencionou na edição de Julho de 2011, onde o avaliador não recomenda a sua compra.

    Na última edição da revista, ainda consta a avaliação do equipamento no quadro de reviews realizados pela revista. Para não deixar dúvidas, a avaliação segue copiada abaixo:

    Caso a sua dificuldade seja com o inglês ou com a interpretação da pontuação, lhe auxilio aqui com uma tradução mais gramatical:

    Too flawed to be a serius contender for the top spot
    “Falho demais para ser um sério concorrente para o lugar de topo”

    Em relação à pontuação, ele ganhou 3 estrelas de um total possível de 5. (apesar de que não gosto de pontuação de valor…)
    Para se ter uma idéia, veja seu preço e pontuação comparado com outros modelos avaliados pela mesma publicação:
    Electrocompaniet PD-1 : 1.250 libras – 3 estrelas
    Rega DAC: 500 libras – 5 estrelas
    Audiolab M-DAC: 500 libras – 5 estrelas

    Se observar melhor, verá ainda que na linha de cima existe uma avaliação do player PC-1, onde o avaliador comenta: “Um player decente mas outros são excepcionais”, e por isso levou 4 estrelas.

    Perceba que este caso que você citou, segundo a avaliação que fiz, coincide com a opinião da revista inglesa.

    O Hi-End é confuso assim mesmo, muitas grifes e preços altos, mas engana-se quem acha que isso basta para garantir a qualidade e o desempenho de um equipamento.

    Espero que agora tenha ficado mais claro, e que esteja satisfeito pela publicação de sua crítica neste espaço democrático.
    Mas, não se preocupe, você não está sozinho. Muitos se incomodam quando as avaliações não lhe convém, e óbvio, não querem que sejam conhecidas, destacando sempre aquelas que lhe favorecem, muitas vezes também contaminadas com outros interesses.

    Uma curiosidade, porque você não usou o mesmo login de sua última crítica, já que os IPs dos usuários mostraram que trata-se da mesma pessoa?

    Até mais.

  17. Eduardo,
    primeiramente, lhe desejo um novo ano repleto de saúde e relizacoes.
    Que voce continue encontrando o tempo, a motivacao e a inspiracao necessários à manutencao do HiFiPlanet.
    Parabéns e obrigado (novamente) pelas informacoes, pelo aprendizado, pela reflexao e até, pela diversao que o site proporciona aos leitores.
    No quesito diversao, talvez seja justo agradecermos aos “críticos” como o colega Aranha aqui acima. Esses textos, e respectivas respostas, me divertem bastante. :-)
    Esta Aranha foi atacar, despreparada. Acabou se enrolando na própria teia.

    Mas, honestamente, ainda aguardo um crítico de alto nível, com argumentacao inteligente, que venha com algo que realmente nos convenca do contrário (de qualquer contrário). Ou até que leve algumas das discussoes do site a um novo rumo. É com esses que aprendemos.

    grande abraco
    e mais uma vez, um ótimo 2012 !

    André Dias

  18. Olá. É minha primeira participação no blog. Não sou audiófilo, mas estou pesquisando muito sobre o tema para montagem do meu sistema.

    Primeiro preciso deixar os meus parabéns pela iniciativa de criar um espaço independente e alheio a interesses comerciais. O público leigo precisa de um espaço assim para formar opinião. Espero que tenha disposição para manter o site.

    Sobre o mérito do tópico, você já teve oportunidade de ouvir equipamentos nacionais? Akron, Exaudi, Audiopax etc? A primeira tem caixas com preços bem competitivos e bastante elogiadas pelos proprietários, mas falta um review da mídia especializada.

    Também parece ter esquecido de comentar sobre a Advance Acoustic, que já fui inclusive objeto de análise desse site.

    Abraço.

  19. Oi Eduardo,
    E quantos às marcas nacionais, alguma restrição de comentar? Gostaria de saber sua opinião crítica dos produtos brazucas desses feras:
    Luis Flugge
    Ulisses- Sunrise Lab
    By Knirsch
    Paulo Ramos – AkronAudiotec
    Abraços

  20. Caros amigos,

    Desculpe a ausência prolongada, novamente por culpa do trabalho.

    A lista que eu fiz baseou-se em experiências e pesquisas mais recentes. Temos excelentes marcas nacionais, mas ultimamente tenho tido pouco contato com elas, e para não cometer um erro de avaliação e acabar por ser injusto, prefiro aguardar a oportunidade de poder, quem sabe, testar estas marcas em breve.

    Mas, não deixem de enviar as suas opiniões.
    Este é um site democrático, participem.

    Obrigado,

    Eduardo

  21. Oi Eduardo,
    Eu acho importante exaltar a excelente participação no mecado de fabricantes brasileiros de cabos e caixas acusticas fantásticas, na minha opinião estamos muito bem servidos.
    Dos produtos made in Brasil eu conheço os cabos interconnects e de força do artesão Paulo Ramos, que possui um site com o nome de sua marca: Akron. Suas caixas, por serem muito caras para mim, ainda não experimentei, mas fico babando só de olhar.
    O Luis Flugge, se ainda alguém não sabe, fabrica um DAC Hi End muito famoso que eu tive a oportunidade de adquirir. Ele utiliza 2 Burr Brown top de linha e tem saídas balanceadas, talvez vc devesse conhecer, porque deve ser melhor que muitos importados.
    Posso falar também sobre a Logical Cables, cujo fabricante representa a vanguarda nacional em cabos, utilizando materiais avançados e acabamento de altíssimo padrão. Uma palavra sobre os cabos LC: Estupendos.
    Bem, ficou parecendo propaganda, mas não era minha intenção.
    Abraços

  22. Eduardo,

    Parabéns por mais um artigo de excelente qualidade, visão e, porque não, contundente.

    Retomei minha antiga (1978-Polyvox+IBS) paixão pelo áudio stéreo lá pelo começo de 2008, com um PMA2000 e caixas Tannoy. Mas, como dizem que andar de bicicleta nunca esquecemos, rapidamente reencontrei o “caminho das pedras”.

    Nesse período ouvi vários sistemas e algumas coisas marcaram bastante, como, por exemplo, quando ouvi a “famosa” 25 anos. Que decepção, pensei comigo, para uma caixa e uma marca tão elogiada aqui no Brasil, só ouvia desequlíbrio, apesar de o restante do sistema parecer bem configurado, inclusive a sala, acusticamente tratada.

    Quando comentei esse fato com alguns amigos, recebi em troca olhares estranhos e sorrisos amarelos. Parei de externar opiniões, digamos assim, mais diretas, pois quem era eu para achar que minhas “pobres” AE1 MKII podiam superar as 25 anos.

    As KEF também nunca me encantaram, nem na linha reference, embora sejam bons produtos e agradem muitos ouvidos, ainda as considero caras demais pelo que oferecem.

    E, por fim, por não sucumbir ao “snake oil” dos cabos, muitos ainda tentam me catequisar para que eu passe a usar os tais milagrosos, alguns, acredito, até na intenção de ajudar, mas sigo firme comprando produtos que considero aliar preço e desempenho justos.

    Hoje, quatro anos depois, com caixas MA PL100 e o trio da CA (840C+E+W), estou bastante satisfeito e as mudanças serão agora em rítimo bem mais lento e mais em busca de pequenos acertos na sonoridade e também para atualização tecnológica, em especial para a fonte e o transporte.

    Continue nos brindando com seus excelentes escritos.
    Até!

  23. Olá Eduardo,

    Antes de comentar sobre um produto que tive o prazer de conhecer neste final de semana, gostaria de esclarecer que concondo com a avaliacao de que a Dynaudio, muito provavelmente, nao representa a melhor relacao custo benefício dos últimos anos. Pelo menos nao no mercado home audio. Minha impressao é que, depois que eles fecharam o contrato de forcecimento da linha automotiva com a VW (estamos falando de milhoes de unidades), paracem q perderam o mao no home audio.

    Mas…
    …tive a oportunidade de ouvir as novas Dynaudio XEO 3 e XEO 5.
    Sao caixas ativas (c/ amplificador embutido) e com recepcao de sinal Wireless.
    Segundo a própria Dynaudio, estas sao as primeiras caixas Hi-End Wireless.

    Além da beleza estética ´simplística´ das caixas (questao de gosto pessoal), a qualidade de som me impressionou. Principalmente por depender da transmissao de som sem fio (tema no qual tenho mais questoes do que respostas).

    Sim, sao produtos caros. Mas acredito que vao ter um certo sucesso dentre os que buscam a comodidade do ´music streaming´ juntamente com uma qualidade de reproducao de som Hi-End.

    Achei muito interessante o fato de poder istalar as caixas numa sala de estar ou de TV, sem que haja a necessidade de amplificadores, conversores DAC, fios e mais fios.
    O visual fica bastante clean, somente com as caixas conectados por um fio elétrico e com amplificacao própria, recebendo o sinal de audio de qualquer equipamento com transmissao wireless na residência. Tudo isso com uma qualidade de som bastante respeitável, principalmente se o arquivo de som estiver, ou na melhor qualidade MP3, ou até em algum outro formato ´lossless´ (sem perda).

    Antes de fechar o recado, fica a recomendacao para todos de que, antes de fazer um investimento desse nível, tem que se ouvir, ouvir e ouvir…e tb analisar outras opcoes.

    Vamos aguardar o que os testes nas revistas especializadas irao dizer.

    Aqui vao algúns links aos potenciais interessados:
    http://www.dynaudio.com/int/xeo/Media/Xeo_the_video_long.mp4
    ou
    http://www.whathifi.com/news/ces-2012-exclusive-dynaudio-launches-xeo-wireless-multiroom-speaker-systems

    abracos
    André Dias

  24. olá…
    primeiramente gostaria de parabenizar todos que fazem parte deste otimo e honesto site!

    gostaria de saber se vcs aqui do hi-fi planet já viram ou testaram caixas KEF “R series” e amplificadores Parasond linha Halo “A52” especificamente?? pois, pretendo montar um conjunto 5.1 com processador Marantz AV 7005, e até queria o power Marantz MM7055, mas me disseram que ele tem otima qualidade de som mas fica devendo na amplificação! (sabem dizer se é verdade?) vale salientar que vou usar frontais bookshelf, pois meu quarto é pequeno (13m²) e julgo desnecessario torres!

    pois, pretendo comprar esses produtos futuramente e vi que essas marcas ficaram em “segundo plano” para o site, poderia entrar em detalhes sobre essas duas marcas por favor, e se possivel sobre os produtos que citei ?

    ***Queria caixas Paradigm mas os preços praticado no Brasil são um assalto!

  25. Olá Everton,

    Quando formulei esta relação de equipamentos deixei algumas marcas de fora, até mesmo porque não seria justo opinar sobre algo que eu não possuia familiaridade suficiente para emitir uma opinião segura. Existem inúmeras outras opções muito boas para o seu caso.
    Ainda não testamos essas caixas da KEF especificamente, mas acredito que sejam adequadas para a aplicação que você propõe.
    Já em relação à marca Parasound, tive acesso a alguns equipamentos para testes, e… particularmente, não recomendo.
    Logo publicaremos um teste com alguns equipamentos Parasound, e minha sensação de que não eram componentes que mereciam recomendação se confirmou.
    Acho que o Marantz vai lhe atender bem, tanto pelas caixas que você vai usar como pelo tamanho de sua sala. Um bom receiver também lhe atenderia bem.

    Realmente o preço de muitos produtos hi-end no Brasil é um verdadeiro escândalo. Saudades da boa Sound Advice, que vendia no Brasil pelo mesmo preço do mercado americano, sem precisar recorrer de artifícios fiscais para conseguir essa proeza.
    Foi lá que adquiri meu Creek, Arcam, Quad e outros produtos vendidos a um preço justo pelo atencioso Sr. Moysés.
    A desculpa de muitos pilantras é o custo dos impostos no Brasil, e fazem cálculos tomando o valor de venda no mercado estrangeiro e aplicando os impostos aqui, o que é uma verdadeira safadeza, já que os distribuidores possuem tabelas diferenciadas. Só para você ter uma idéia, certa vez recebi um convite para revender a marca Usher no Brasil. Não aceitei por não ter qualquer interesse em trabalhar neste segmento. Mas, o que me impressionou foi que o preço de revenda era 1/3 (isso mesmo… um terço) do preço de venda nos EUA. Ainda guardo essa tabela caso alguém diga que isso não é verdade, pois existem revistas, sites e fóruns que têm enorme interesse em fazer o comprador acreditar que os preços são elevados mesmo, e não perdem a oportunidade por nos criticar quando dizemos algo que vai contra seus interesses (muitos têm lojas próprias ou são comissionados) ou de seus anunciantes.
    Infelizmente, esse mercado é cheio de pilantras, e por essa razão decidi criar este espaço, pois não suportava mais ver as manipulações de interesses de outros espaços dedicados ao áudio hi-end.
    Me falta tempo para atualizá-lo, mas logo teremos uma boa surpresa. Aguarde.

    Abraços

    Eduardo

  26. Olá André,

    Acho que a Dynaudio não investiu o que deveria para acompanhar a evolução do mercado de um mode geral, e acabou ficando um pouco atrás dos demais fabricantes.
    Ela tem um marketing forte, e uma imprensa que é bastante “generosa”.
    O mais vergonhoso era ver uma publicação bem conhecida utilizar antigas caixas Dynaudio para realizar seus testes. Por aí imaginamos a confiabilidade destes testes.
    Para piorar, somente agora trocaram as velhas e ultrapassadas Dynaudio que usavam por outra caixa que, na minha opinião, foi uma péssima escolha e só vai colaborar para prejudicar ainda mais a já pouca confiabilidade dos testes que realiza.

    Abraço

    Eduardo

  27. Muito obrigado Eduardo! por responder. Tenho lido muita coisa aqui no site de suma importancia para “desmistificar” certas coisas do mundo HI-END que vemos com frequencia!

    Por sua grande experiencia no assunto gostaria de tirar certas coisas a limpo pois não tenho muita experiencia no quesito “audição” de equipamentos, mas sim em teoria… muita teoria!
    Minhas duvidas são:

    1- essa historia de conjunto PRE+POWER da uma “tremenda” diferença em relação a um bom receiver no quesito qualidade de audio e amplificação? se dá, vale apena o investimento? qual seria a diferença na sua opinião?

    2- o que devo observar de verdade em um PRE e em um POWER para fazer uma boa compra em termos de qualidade? acima de tudo”!

    3- o Sr já ouviu falar em cabos “ACOUSTIC RESEARCH” ? se não, gostaria muito que o sr desse uma olhada na marca [http://www.acoustic-research.com/] e desse sua opinião, pois tenho interesse nesta marca, pois vi uma materia sua onde prova que preço não é nada!!! e tambem sé não for muito abuso de minha parte o sr desse uma olhada no power MARANTZ MM7055 [ http://us.marantz.com/us/Products/Pages/ProductListing.aspx?CatId=AVSeparates ] e desse sua opinião sobre ele!

    4- os powers da SUNFIRE o sr já ouviu falar?

    Tenho prioridade com a qualidade sem gastar uma fortuna é claro, por isso peço sua ajuda principalmente na avaliação desse power da marantz mm7055 pois acho que ele tem muita qualidade e fico com receio que ele não ser capaz de empurrar as KEF R300 ou Paradigm studio 20 com restante das caixas do sistema!” tenho essa impressão por relatos de colegas do HTFORUM ter usado e segundo eles não gostaram muito!

    Desculpe o texto enorme! mas detalhei o meu dilema ao senhor!!! E PEÇO SUA AJUDA.

    Tô fazendo recomendações do site do Sr a todos!
    para finalizar… (o que o senho acha das informações encontradas no HTFORUM???)

    Desde já muito obrigado pelo espaço!

  28. Olá Everton,

    Exagero seu essa “grande experiência no assunto”. Ainda há muito o que aprender. Devemos apenas entender qual o caminho certo, pois não faltam armadilhas.
    Vamos lá:

    1. Um equipamento dedicado, em tese, deveria ter um desempenho melhor do que outro “multi-função”. Assim, um amplificador integrado ou um pré/power deveriam ser superiores a um receiver.
    Na prática, depende do nível de cada um, pois tem muitos integrados e pré/powers por aí que são lamentáveis, enquanto existem excelentes receivers.
    Quanto a valer a pena o investimento, isso depende de você. Se um bom receiver te atende bem, porque investir num pré/power?
    Tente ouvir as duas combinações, e decida-se por aquela que mais lhe agrada. Eu tenho um pré/power de boa qualidade, mas se não pudesse tê-lo, estaria muito feliz com um bom receiver da Marantz, por exemplo.

    2. Leia muito e ouça ainda mais. Cuidado com as opiniões de fóruns contaminados de interesses comerciais e de revistas à serviço de seus anunciantes. Hoje a internet virou uma poderosa ferramenta, porém, é aproveitada para o bem e para o mal.
    Lamentavelmente os fóruns estão contaminados de interesses pessoais, de discussões de ordem puramente pessoal e econômica, e com propagandas por todos os lados. Esteja certo que isso não é de graça. O dono dele quer faturar. Revistas têm um perfil bastante parecido. Sobrevivem de anunciantes, e querem mais é agradá-los.
    Sites estrangeiros de clubes de audiófilos sem vínculos comerciais, e algumas revistas inglesas ainda apresentam alguma confiabilidade. Leia muito e tire as suas conclusões. Esqueça a maior parte do que se escreve aqui em nosso país. Há bobagens demais, interesses pessoais e comerciais sobrando, e uma enorme falta de honestidade. Estamos vivendo uma fase bem difícil na audiofilia brasileira.
    Outra coisa, tenha em mente que nem sempre o mais caro é melhor, e nem sempre o mais barato é inferior. Essa é outra bobagem que criaram na cabeça dos audiófilos. Pilantragem pura.
    Existem excelentes amplificadores com preços bem acessíveis, e inúmeras “grifes” caríssimas que não valem a pena.
    O duro é que quando você tenta mostrar isso é duramente criticado pelos mais diversos grupos, mas sempre aqueles que deveriam ficar calados, que nada têm a acrescentar de útil.

    3. A marca Acoustic Research é boa, mas existem outras mais interessantes em minha opinião. Já escrevi sobre isso. Chord, QED e outras irão lhe atender muito bem. Cuidado apenas com algumas “grifes” famosas, caras e até mesmo inferiores. É essa comparação que faço, por exemplo, entre um cabo Connex ou QED, e um Nordost. Mas, vai colocar isso na cabeça de alguém quando tudo o que se lê é manipulado segundo os mais diversos interesses.
    Gosto da marca Marantz. São produtos com uma sonoridade bastante agradável. Pode investir aqui sem medo. Veja também Creek, Cambridge, Musical Fidelity e outras.

    4. Não gosto de Sunfire. Melhor ficar com o Marantz.

    Agradeço as recomendações. Esteja certo de que apenas quero ajudar. Nunca ganhei nada e nem quero um centavo por isso. É apenas um hobby (levado a sério…).

    Mais uma vez, pesquise e ouça por sua própria conta. A maior parte das experiências ruins que os audiófilos têm nem se referem ao equipamento, mas a outros fatores como acústica, elétrica, casamento de equipamentos, etc.
    Não dê ouvidos demais a algumas críticas sem antes testar por conta própria. Te garanto que 99% dos audiófilos não estão preparados para avaliar um equipamento.

    Prefiro não comentar sobre o citado fórum.

    Qualquer coisa, me envie um email e conversamos mais detalhadamente, até mesmo por telefone, e te oriento melhor sobre as suas escolhas.

    Mas, para quem se acha leigo e bastante teórico, saiba que você possui um bom senso e um discernimento que vai ajudá-lo muito em suas escolhas.
    Você está seguindo uma trilha segura. Parabéns pela maturidade que você demonstra na forma de realizar as suas escolhas.

    Outro detalhe: esqueça o Senhor, sou apenas um jovem maduro…

    Um abraço

    Eduardo

  29. Olá Eduardo,

    Antes de mais nada quero te agradecer por ter respondido ao e-mail sobre minha dúvida com o Cambridge, que em outras fontes,entre elas o próprio fabricante, já sanei a respeito (sobre o ajuste de volume dele e potência).
    Li esse artigo muito bem redigido por voce sobre as marcas, evidentemente nem todas puderam ser contempladas pois são inúmeros produtos no mercado, que deixam a nós consumidores em dúvida sobre o que comprar. Parabéns pela objetividade e lucidez para enumerá-los em dois blocos (cientes que são todas ótimas marcas).
    Gostaria de saber sua opinião sobre uma marca que vem sendo muito abordada tanto em acessórios (principalmente condicionadores e regeneradores de energia), como em amplificadores e DAC, a PSAudio.
    Grande abraço.
    Mauricio.

  30. Olá Eduardo.

    Procurei no site, mas não achei. Você já chegou a testar ou ouvir sistemas com os cabos da Blue Jeans Cables? (Basicamente usam cabos da Belden), que possuem um custo bem baixo.

    Serviriam para um sistema de entrada em sua opinião? (Receiver + caixas em sistema 5.1)? Ou existem alternativas com melhor custo/benefício?

    Abraços e parabéns pelo site.

  31. Olá,

    Pode usar esse cabo tranquilamente.
    Vai te atender muito bem. Na verdade, preço alta não significa necessariamente qualidade.
    Existe muita enganação e valorização de “grife” nisso.
    Eu diria que o Blue Jeans poderia atender sistemas bem sofisticados, perfeitamente.
    Mas, cuidados com o preços aqui. Muitos distribuidores vendem aqui por preços bem mais caros que lá fora, e te afirmo: NÃO EXISTE QUALQUER RAZÃO PARA ISSO!!!
    Na dúvida, procure no ebay ou mercado livre, mas não pague valores extorsivos por ele.

    um abraço,

    Eduardo

  32. obrigado pela resposta. Na verdade estaria adquirindo diretamente da Blue Jeans Cables via internet. Outra marca que cotei, embora um pouco mais cara foi a QED (cabo de sub, speaker e dois interconnects para ligar o UD7006 no receiver SR7005. Estou com caixas B&W 600.

    Acha que haveria muita diferença de um cabo para o outro (ou a diferença seria tênue demais para variar entre um cabo e outro, valendo mais a pena o mais barato)? As distância são sempre inferiores a 2,5m (inclusive do subwoofer).

    Abs e obrigado novamente

    Carlos

  33. Com essa escolha, eu iria de QED.
    É um cabo muito bom, e em testes que fiz mostrou-se superior a cabos muito mais caros.
    Uso QED há muitos anos, e já tive oportunidade de testar outros que na maioria apresentaram desempenho igual ou até inferior.

  34. Olá caro Eduardo!
    gostaria que vc me falace mais sobre os powers da Parasond que o senhor já ouviu ou testou, pois outro dia vc me falou que iria postar uma materia sobre o assunto, e como eu tenho interesse nesta marca gostaria de sua avaliação sobre eles!

    desde já muito grato!

  35. Olá Everton,

    Eu fiz um teste com dois equipamentos da marca.
    Particularmente, eu não gostei e não recomendaria, mas peço que aguarde os reviews para melhor compreender as minhas razões, para depois decidir-se por sua própria conta.
    Achei a qualidade de áudio mediana, o acabamento ruim e alguns problemas de projeto.
    Não sei se isso ocorre com todos os modelos do fabricante, mas nos dois avaliados foi o que senti.
    Conheço muita gente que gosta da marca, por isso é difícil ter uma conclusão definitiva para toda a linha.
    Nesta mesma categoria, eu recomendaria produtos da Rega, Exposure, Creek, Musical Fidelity, Cambrige, Marantz e outras marcas.

  36. Eduardo,

    Fiquei impressionado como tantos com suas opiniões.
    Duas de minhas caixas estão em sua lista de segunda opção. Mas estou muito satisfeito com os resultados que tenho.
    Fiquei surpreso com a marca inglesa Monitor Audio. Estou procurando uma caixa central e com certeza vou me informar mais a respeito dessa marca.
    Mas o que eu queria dizer, é a respeito da internet.
    A internet para mim foi uma revolução em relação a música.
    Apaixonado por música que sou, com o advento do mp3, hoje consigo baixar pela net, TODOS os discos que NUNCA em toda a minha vida, teria condições de ouví-los, principalmente a respeito do lado econômico da coisa.
    E o som do mp3?. Sinceramente, não sei se é porque eu tenho um equipamento razoável ou talvez não tenho ouvido mesmo, se bem que desde criança eu ouço música e se não fosse esta eu talvez já estaria morto, porque o mundo seria bem mais triste ou mais difícil de se viver, eu não sinto muita diferença do som de um CD por exemplo.
    O meu computador é ligado em meu receiver.
    Digo essas coisas, porque eu tento ser bastante sincero em minhas opiniões, seguindo neste sentido o seu exemplo.
    Também não estou preocupado com as opiniões alheias.
    Acredito que a internet é uma tecnologia revolucionária e foi com certeza um paradigma, onde o som e o vídeo fazem parte dessa revolução.
    Eu utilizo um gerenciador de músicas, chamado Media Monkey, que possui um equalizador e um amplificador em seu software, você pode baixá-lo de graça e não é muito pesado.
    Acho que vou ficando por aqui, porque acho que já causei bastante polêmica.
    Um grande abraço e obrigado.

  37. Luis,

    O fato de suas caixas estarem na segunda lista não significa que sejam ruins. Pelo contrário, se você está satisfeito com elas é porque atingiram o objetivo que você esperava delas. O que mais querer?
    Algumas pessoas confundem achando que as listas são do tipo: “Presta” ou “Não Presta”. Mas, não é isso. Trata-se de uma referência pessoal para ajudar quem está entre uma ou outra opção. Além disso, não é só o fator qualidade que está em jogo, mas a questão de preço. Muitas vezes duas marcas são ótimas e com vantagens muito parecidas, mas uma é muito mais cara que a outra, e, neste caso, a melhor opção acaba sendo aquela que possui um preço mais acessível. Ou, ainda, o desempate fica por conta da confiabilidade e resistência do equipamento.

    Não se preocupe em causar polêmica. Este espaço foi criado para opiniões sinceras. Chega de ver opiniões “fabricadas” por revistas ou sites. São estas experiências honestas que nos levam a verdade.

    Obrigado pela sua participação.

    Um abraço

    Eduardo

  38. Olá Eduardo,
    Vao aqui mais algumas impressoes das minhas andancas pelos HIFI e HIEND shops de Düsseldorf e regiao:

    a. Ouvi a dupla Cambridge Audio AZUR 851C e 851A =>> o par custa em torno de € 3.600,00 por aqui. Gostei muito do que ouvi e acredito que esse CD e AMP ainda sao uma das melhores relacao custo x benefício no mercado

    b. MBL C31 + MBL C11 + MBL C21 =>> gostei do som mas o design e o preco sao pra gostos e bolsos bastante específicos :-)
    c. Pioneer N-50 =>> belo design, som agradável e funcional. Mas, pela diferenca de preco, ainda fico com o Squeeze box Touch da Logitech

    d. Audiolab M-DAC =>> Esse merece atencao !!! Acredito que esteja no mesmo patamar do Rega e do M1 DAC da Musical Fidelity. Aconselharia os amigos que forem comprar um DAC a analisar esses tres principalmente quanto as conexoes. Do ponto de vista de qualidade de som, talvez estejam lado a lado. Ficaria entao as conexoes e o design como critério de desempate. Os 3 estao na classe abaixo de € 1.000,00

    e. Toca discos (se é assim que ainda se chama em Portugues) =>> Recomendo Pro-ject Debut Carbon, o Rega RP1 e Rega RP3. Todos esses tb abaixo de € 1.000,00 na Europa

    f. Entre as caixas torre mais em conta, voltei a me impressionar com as Dali Zensor 7, com as Tanoy Rev.DC 4T, com tb com a Wharfedale Diamond 10.7 (esta talvez a maior barganha no mercado europeu) e, por último, me diverti bastante com a Phonar Veritas P7 (como pode uma caixa tao modesta em tamanha gerar um palco sonora tao notável ?)

    Com excecao do trio MBL, os demais items que citei acima proporcionam uma qualidade de som fantástica pela faixa de preco em que estao situados.

    Recomendo a todos que oucam e comprem os equipamentos que lhe agradem e caibam em seus bolsos. Mas fiquei tentado a deixar as dicas acima já que tive a oportunidade de ouvir esses equipamentos e fiquei impressionado.

    abracos
    André Dias

  39. Boa noite Eduardo, tudo bem contigo?? Espero que sim! Estou querendo montar um bom home theater, tenho uma sala de 13 metros que terá uma tela de projecao dividindo o home e estar. Gostaria de uma indicação para compra de boas caixas, quero gastar até R$ 7.000,00 entre todas as caixas, vou comprar pelo mercado Livre. pode me indicar algo? Obrigado!!

  40. Olá,

    Uma excelente marca que tem ganhado prêmios internacionais, e que possue preços interessantes e os requisitos que você pede, seria a Monitor Audio.
    Existem inúmeras outras marcas que poderíamos recomendar, mas as caixas da Monitor talvez sejam uma das melhores opções no momento.

    Abraços

Faça um comentário