Projeto “A Caixa” – Parte XI – Informações Adicionais

Detalhes e custos do projeto.

Finalizado o projeto, algumas características das caixas já estão bem definidas.
Ainda, estou concluindo as medições e alguns pequenos ajustes para apresentar gráficos e medições dos resultados obtidos. Mas, a princípio, seu desempenho melhora a cada dia, e se no início dos testes eu já estava bastante feliz com suas qualidades sonoras, hoje posso afirmar que nada que eu tenha ouvido até hoje me satisfez tanto.
Não tenho, por enquanto, nada a reclamar, e acredito que todo o esforço e investimento valeram a pena.

Seguem algumas características, sempre unitárias (para uma caixa):

Dimensões e peso
Altura total:  132,0 cm
Largura total:  43,5 cm
Largura do corpo:  37,0 cm
Profundidade total:  74,0 cm
Profundidade do corpo:  67,5 cm
Peso:  127,0 Kg (cada caixa)

Falantes por caixa:
2 woofers de 10″ – VIFA M26WR-09-08
1 médio de 5,5″  –  Scan-Speak Revelator 15M/4531K
1 tweeter soft-dome de 1″  –  Scan-Speak D2905/9700
1 super tweeter de ribbon  –  Fountek NeoCd3.0

Conexões:
Independentes para cada driver, woofer 1, woofer2, médios e agudos, permitindo cabeamentos ou amplificações individuais.

Modo de operação
Selada ou Bass-Reflex

Construção geral:
Contatos e terminais banhados a ouro
Cabos de prata
Falantes de médios e agudos de fabricação especial (sob encomenda)
Soldas com prata
Câmaras de graves independentes (isoladas)
Gabinete em MDF de 30 mm
Dutos em aço inox

Custos aproximados:
Custo da caixa terminada:   R$ 21.000,00 (o par)
Custo da caixa sob encomenda:  R$ 24.000,00 (o par)
Custo de todo o desenvolvimento:  R$ 29.700,00 (o par)
Custo da caixa utilizando componentes básicos: R$ 18.000,00 (o par)

Sobre os custos, cabe uma explicação melhor. O primeiro valor refere-se à caixa como está hoje concluída. O segundo valor seria aquele se os serviços de fabricação do gabinete, pintura, montagem e confecção da parte eletrônica fossem realizados por terceiros especializados (no caso tudo foi feito em casa). O valor de R$ 29.700,00 foi o valor do investimento no desenvolvimento da caixa, inclusive na compra e testes de componentes (como alguns falantes que foram posteriormente substituídos), e outros componentes e serviços necessários ao seu desenvolvimento e fabricação.
O valor de R$ 18.000,00 é aproximadamente o que se gastaria hoje para alguém que “põe a mão na massa” construir uma caixa semelhante, com recursos próprios e componentes de série (equivalentes de mercado). O desempenho seria ligeiramente inferior por conta de não serem utilizados os componentes de fabricação especial.
Estes valores incluem os custos de frete e impostos dos componentes importados.

Certamente uma caixa como essa teria um custo menor numa produção seriada, com componentes adquiridos no atacado, mas o valor de venda certamente ultrapassaria dezenas de milhares de dólares.

Falar em “custos” do projeto nem é algo tão justo, pois eu consideraria todos os valores direcionados para o desenvolvimento destas caixas como um “investimento”, pois o que ele me oferece hoje… não tem preço !!!

Mais detalhes em breve…

20 Comentários em Projeto “A Caixa” – Parte XI – Informações Adicionais

  1. Prezado Eduardo,
    Parabens pelo projeto como voce disse durante anos quis colocar em pratica e conseguiu.
    Mas como voce afirmou e’ uma caixa perfeita personalizada para suas necessidades,bem pra mim nao e’ uma caixa ideal. Fazendo uma analogia acho que uma boa caixa de cone,de qualquer faixa de preco,se parece com uma imagem numa TV de alta definicao e uma boa caixa ominidirecional ou planar e’ como se estivessemos olhando uma cena real atraves da janela.E e’ isso que eu procuro.
    Abracos,
    Mauricio

  2. Meus parabens foi uma leitura muito gostosa do inicio ao fim, e me fez ter vontade de realizar um cadastro para te parabenizar pelo esforço e dedicação.
    sou apaixonado por DIy e trabalho manual então fico sempre admirado quando alguem é criativo e tenta se utilizar disto para chegar a perfeição em um projeto.
    não me considero um audiofilo por falta de recursos, mas gosto muito do que o som proporciona nas pessoas, e um som de qualidade é tudo.
    infelizmente não me vejo com um equipamento desses tão cedo afinal meu “sistema de som” está instalado em um quarto de 3×3 quase triangular, uma sobra da casa que me apropriei pra ter um espaço meu.
    atualmente possuo duas bookshelfs da Kef q300 e uma central q200 com um receiver Denon 2310ci, e um sub sunfire HRS10.
    é um som que agrada mas ainda me sinto incomodado com a falta de algo.
    pretendo em breve tentar sair do amadorismo total e entrar em um nivel mais baixo do nosso Hobby que é escutar uma musica com qualidade.
    eu ainda não tive o prazer de ler todos os artigos, mas vc poderia me recomendar algum para um iniciante que não tem noção do que vem alem dos receivers.
    sei que o ceu é o limite para a perfeição, mas eu pretendo ir devagar pois está longe da minha realidade pagar R$ 30.000,00 em um par de caixas. (até pq seria muito mais caixa do que o ambiente que tenho pra elas )
    a minha casa é propria mas pretendo um dia comprar outra que se adeque mais as necessidades da minha família, ou arrumar outro cantinho e construir uma sala dentro de parâmetros aceitaveis mas até lá gostaria de ir adequando meu ambiente atual para uma experiencia mais agradavel, ( e onde eu moro infelizmente estou isolado do mundo para troca de experiências presenciais Kkk)
    então de fato gostaria de alguma recomendação de artigo de introdução ao áudio HI-FI
    sei que gosto é particular de cada um mas tudo tem um ponto de inicio então gostaria de iniciar por cabos, equipamentos e caixas de som de qualidade superior à badalação que se cria por questão de grifes.

    E referente as caixas outra coisa que eu gostaria de pontuar é que ela saiu muito mais barata do que eu estimava pela qualidade dos componentes e investimento empregado nos “materiais de pesquisa”, creio que hoje em dia sairia bem mais caro esse projeto pela cotação atual do dólar não é?

  3. Olá Edson,

    Obrigado pelas palavras.
    Realmente este foi o trabalho mais complexo que fiz até hoje, mas valeu a pena.

    Se precisar de minha ajuda para dar um “up” em seu sistema, pode contar comigo.
    Não é necessário gastar tanto. Foi um capricho de minha parte.
    Você pode ter um sistema de excelente nível gastando bem menos, acredite.

    um abraço,

    Eduardo

  4. Otimo projeto das caixas, mas estou com uma curiosidade. Os alto-falantes (grades, medios e agudos),nao estão alinhados em um plano vertical. Por que?

  5. Olá, Alfredo,

    Os altofalantes estão alinhados no tempo. Isso significa preservar a fase de cada unidade fazendo com que elas tenham um comportamento semelhante em relação ao movimento de seus cones.
    A técnica mais comum é alinhar as bobinas dos alto-falantes, e não a moldura frontal.
    Pode ser um preciosismo que pouco resultado traga na prática, mas, como estas caixas seguiram as orientações de vários projetistas que participaram com as suas opiniões, a solução restou adotada.
    Mas, é importante lembrar que existem excelentes caixas com alinhamento vertical dos falantes.

    Abraço,

    Eduardo

  6. Alinhados no tempo?…….

    Fui procurar no (santo)Google mais informações, pois não sei de tudo.

    Me fez voltar no tempo, eu conhecia o efeito como retardo de grupo, mas não em alto falantes, mas em sitemas de telecomunicações (Embratel).

    Em um sebo, aqui em Marilia, comprei dois livros sobre caixas :
    “caixas acusticas e alto-falantes” de Vance Dickason e
    “Analise e sintese de alto-falantes e caixas ” de Homero Sette Silva que fala sobre isso, um capitulo de apenas 36 paginas. Estou estudando esse capitulo, pois o projeto dos filtros tambem influencia na fase aparente de cada alto-falante, podendo ser o supra sumo do audio ou um caixote. Vou digitalizar esse capitulo para poder lhe enviar .

    Eu estou fazendo a montagem de um caixa tipo Kalrson, motivado por sua eficiencia e por um carga maior no cone do alto falante, diminuindo o movimento do mesmo, e assim por trabalhar numa parte linear do alto falante, reduz a distorção harmonica .

    para isso, vou ter que comprar um microfone “decente” (uns $4000 ) e mais algumas coisinhas, mas se der certo, vale a pena.

    Abraço

    Alfredo Setala

  7. Caro Eduardo,

    Realmente uma surpresa encontrar um blog desta qualidade, ainda mais vindo de alguém que é da minha geração e passou pela chamada fase de ouro do áudio. Parabéns!
    Estou voltando agora a ter contato com o mundo do áudio e fiquei bastante curioso com o seu projeto de caixa.
    No entanto, algumas poucas coisas não ficaram muito claras para mim:

    1 – os dois woofers de cada caixa são exatamente do mesmo modelo?

    2 – não consegui identificar qual a marca e modelo oe tweeter adotada por você.

    3 – você afirma que usou um tweeter ribbon e outro soft some, mas só vejo apenas um tweeter na caixa de som. É isso mesmo?

    Em todo caso, não encontrei o modelo de woofer da Vifa que você especificou, apenas outros modelos desta marca.
    Algum outro woofer que você indique especialmente?

    Teria outras perguntas para fazer, mas creio que é melhor esperar por suas respostas primeiro.
    Uma vez mais parabéns pelo site!
    Abraços,
    Caio

  8. Olá Caio,

    Desculpe a demora em responder.

    Obrigado pelas palavras.

    Sim, os dois woofers são iguais, e podem funcionar em série ou em paralelo, permite que um seja usado para o sistema estéreo e o outro como caixa de graves passiva de um HT, por exemplo, e ainda é possível utilizar somente o de baixo ou o superior, além de outras combinação que permitem muita versatilidade para as caixas.

    Os tweeters utilizados foram 1 soft-dome de 1″ – Scan-Speak D2905/9700 e 1 super tweeter de ribbon – Fountek NeoCd3.0.
    São unidades especiais aprimoradas em relação aos modelos comerciais.

    Aproveitei para atualizar essa informação no post.

    Sim, inicialmente eu utilizei apenas um tweeter domo, depois o ribbon foi acrescentado e foram várias as unidades testadas. A caixa pode trabalhar com ou sem ele com resultados plenamente satisfatórios.

    Difícil indicar um modelo sem avaliá-lo detalhadamente, já que ele precisa estar dimensionado ao projeto e equilibrado com os demais componentes.
    Isso exige uma pesquisa longa e detalhada… não imagina o quanto…

    Abraços

    Eduardo

  9. Este é o site que eu procurava. Sempre procurei a verdade sobre caixas acústicas. Quero fabricar a minha e gostaria da sua ajuda.

  10. Olá Wilson,

    Obrigado.
    Para a construção de uma caixa de bom nível você vai precisar recorrer a falantes importados, infelizmente.
    Fico à disposição para ajudá-lo em seu projeto.

    Abraço

    Eduardo

  11. Eduardo, parabéns pelo projeto. Acompanhei avidamente cada um dos capítulos que descreveram a saga deste fabuloso trabalho. Novamente parabenizo-o pelo trabalho e, especialmente, por ter compartilhado cada detalhe com aqueles que admiram tal tipo de iniciativa.

    Se não se importa, gostaria de fazer dois questionamentos…..vi que vc tem seus equipamentos em um armário fechado, então: 1) Como faz para que não sobreaqueçam? 2) Que tipo de cabos para as caixas utiliza e em que extensão?

    A razão das perguntas é que pretendo deixar meus equipamentos (cambridge 851A, Denon 4520 e Emotiva XPA-5) em um quarto separado da sala de audição e que distará aproximadamente cinco ou seis metros das caixas acústicas (Tannoy Precision 6.4) e surge a dúvida se um cabo de caixa muito longo degradaria o som, especialmente levando-se em conta que tal cabo seria inserido em um cano corrugado passando pelo interior de uma laje de piso.

    Agradeço qualquer ajuda.

    Abraço

    Mário

  12. Belo projeto um dia encaro um desses, quem sabe quando eu estiver um local apropriado para as mesmas… Parabéns pela iniciativa… quando eu fizer as minhas com certeza irei encher o saco do pessoal mais experiente para me ajudar com minhas dúvidas…kkk

  13. Eduardo, li em alguns posts seus aqui e em outros fóruns que você fez algumas modificações (up-grades), nas suas caixas B&W, eu possuo um sistema da B&W igual ao seu, porem nunca fiz nenhuma modificação. Gostaria de saber quais foram estas modificações e se você ficou satisfeito com as mesma, ou seja faria novamente. Meu sistema é 5.1 e consiste na serie CDM NT mais o subwoofer ASW 1000 e um Denon VR5700 alimentando o sistema.

  14. Eduardo, também se você estiver os artigos que você leu que te ajudaram no UP das B&W se puder me passar eu agradeceria.

    Muito obrigado Rafael.

  15. Olá Eduardo:
    Ficou uma dúvida: os dois tweeters trabalham ao mesmo tempo? Ou separadamente, de acordo com a sua escolha?
    Abs
    Caio

  16. Rafael,

    Desculpe, mas estou num período de correria na minha vida pessoal e profissional, e acabo deixando de responder a algumas dúvidas.
    Uma falha grande da minha parte.

    Esta série CDM NT é sensacional, um dos melhores sistemas de caixas que já tive o prazer de ter na minha sala. Ainda hoje fornece um resultado superior a muitas opções mais atuais e elogiadas que não merecem tanto prestígio.

    Eu mudei o sistema de base dela, deixando-a mais firme. Troquei alguns componentes do crossover, os conectores originais por outros banhados a ouro (isso não vai mudar o som como gostam de dizer por aí, mas evita degradá-lo por conta de oxidação), e outras modificações.
    Me encaminhe um e-mail e te envio algumas fotos.

    Abraço

  17. Olá Eduardo, acompanho seu blog faz um tempão, mas só agora me cadastrei.
    Estou pretendendo contruir caixas iguais as suas, li em um dos seus artigos que você consideraria a possibilidade de fornecer as informações detalhadas do seu projeto para contrução destas caixas. Isso está correto?
    Se estiver, como procedo para conseguir os detalhes do projeto.
    As caixas seriam para uso exclusivo em minha residência e nada mais.
    Obrigado pela sua atenção, um abraço.

  18. Caro Eduardo, impressionante trabalho.Os cuidados com a perfeicao beiram o absurdo.Parabens.Nao possuo ainda um sistema Hi-End mas seu artigo me inspirou a refazer as caixas do meu Aiwa Xh-N6.Minha sala inundou e as duas caixas frontais se abriram.Fui obrigado a desmonta-las e guardar os speakers para refaze-las do zero.Minha duvida e o posicionamento do duto.Existe alguma diferenca/ganho em deixa-lo atraz ou na frente? Obrigado desde ja pelas inumeras dicas.Tudo de melhor!

  19. Olá Blaska,

    Obrigado pelas considerações.
    O melhor posicionamento do duto é aquele indicado no projeto. É sempre bom preservar o posicionamento adotado pelo projetista.
    O duto na frente, porém, sofre menos interferência do que quando colocado na traseira da caixa, e esta, por sua vez, posicionada próximo à parede de fundo. Neste caso, o ajuste pode ser um pouco mais crítico, mas nada, porém, que não possa ser também ajustado.

    Abraços

    Eduardo

Faça um comentário