3D or not 3D?

O mercado começa a despejar inúmeras opções de televisores com tecnologia 3D, ou seja, com imagens em efeito de 3 dimensões.
Mas, será que é hora de investir nessa novidade?

Há alguns anos, me perguntaram se era interessante investir em TVs de Plasma ou LCD. Eu respondi que não, pois como toda nova tecnologia, muito ainda faltava ser aprimorado, e isso normalmente ocorre com bastante velocidade até os equipamentos atingirem um nível adequado de recursos, confiabilidade e qualidades.
Na verdade, o fabricante aposta nos apaixonados por qualquer nova tecnologia, estes que investem sempre na mais recente novidade do mercado. Isso facilita a vida do fabricante, pois são esses primeiros compradores que vão identificar as limitações e defeitos das novas tecnologias. Melhor ainda, são estes compradores que financiarão a tecnologia futura para aprimorar os produtos recém lançados. Cobaias?

Bem, todo mundo sabe que quem investiu nos primeiros modelos de TVs de plasma ou LCD acabaram comprando modelos com muitas limitações, baixa qualidade de imagem e, em alguns casos, sequer próximos à então tendência de HD. Pior do que isso, esses compradores experimentaram inúmeros problemas e defeitos inerentes de uma tecnologia ainda pouco evoluída, como as famosas manchas que surgiam muito facilmente nos primeiros TVs de plasma, ou nas falhas de imagens de cenas de movimentos rápidos nos TVs LCD (defeitos que não foram ainda totalmente eliminados).
Estes compradores viram suas custosas aquisições ficarem rapidamente obsoletas  e muito desvalorizadas.

Com o HD-DVD e o Blu-ray aconteceu o mesmo. Muitos investiram no primeiro formato, e acabaram com equipamentos fora do padrão adotado pelo mercado, o blu-ray.
Além de sugerir para que os meus leitores aguardassem um pouco pela definição do novo formato de vídeo, ainda recomendei muita cautela na hora de comprar um modelo do formato vencedor.
O que era esperado aconteceu. O formato blu-ray nasceu cheio de limitações e problemas que muitos sequer conseguiram ser corrigidos pelas famosas (arriscadas e cansativas) atualizações de firmware. Muitos destes equipamentos acabaram abandonados, mesmo diante do alto preço pago por eles, ou vendidos usados por uma pequena fração do investimento feito em sua aquisição, se pudermos chamar isso de investimento.

Agora a novidade é o televisor 3D, que promete imagens mais naturais, tridimensionais, em suas telas.
E já me perguntaram “em qual aparelho devo investir?”, e a minha resposta é bastante simples: “em nenhum!”

A tecnologia é hoje, digamos, muito “suspeita”, a começar por inúmeros relatos de pessoas que sofreram distúrbios físicos ou psicológicos bastante estranhos, desde o simples fato de passar ligeiramente mal, sofrendo, por exemplo, com enjôos durante a exibição do disco, fadiga visual e até ataque epilético (para aqueles que já possuem a doença). Na dúvida, cautela é sempre uma boa pedida.

Além disso, temos aqueles incômodos e caros óculos especiais utilizados para ver as imagens. Diferentes daqueles distribuídos nos cinemas no auge do 3D ( muitas vezes feito com  papel) os modelos utilizados por estas novas TVs envolvem uma tecnologia de óculos muito avançada, e se imaginarmos que cada pessoa na sala deve ter o seu para poder apreciar as “curiosas” imagens, podemos imaginar o custo dessa brincadeira. Além disso, estes óculos utilizam baterias recarregáveis ou substituíveis, o que pode se tornar outro grande incômodo numa distração com a duração das baterias ou com a sua carga.
E, se você já usa óculos de grau, prepare-se para incômodos ainda maiores.

O mais importante é que, como qualquer nova tecnologia, o 3D ainda está evoluindo. E mais importante ainda é que alguns fabricantes já começam a apresentar seus modelos que não utilizam os incômodos e caros óculos especiais, o que logo tornarão os modelos atuais obsoletos.

O futuro bem próximo parece que ainda vai nos trazer muitas novidades, e não são divagações. São tecnologias que já estão presentes no mercado, tanto em feiras de exposições como em outras demonstrações.
Respondendo então às perguntas que recebo, a minha recomendação é a mesma que já usei em outras oportunidades, quando outras novidades começavam a chegar no mercado: “Aguarde! Não tenha pressa. Seja paciente e prudente e será recompensado por isso.”

Muitas publicações, no óbvio interesse de seus anunciantes, estão levando um excesso de empolgação aos seus leitores em relação às opções que já estão na loja. Mas, não é desta forma que deveria ser feito.

Tecnologia 3D… pra que pressa?

1 Comentário

  1. REPORTAGEM:

    Toshiba é a primeira a abandonar os óculos 3D

    TVs e notebooks “glass-free”, grande atração da empresa na CES, já começam a chegar ao mercado

    Cumprindo promessa feita há poucas semanas no Japão, a Toshiba trouxe para Las Vegas a última palavra em matéria de 3D: TVs e notebooks que não exigem óculos para exibir os efeitos tridimensionais que encantam tanta gente. A empresa, que já começou a lançar alguns desses produtos no mercado japonês, tem grandes planos para 2011, alguns deles detalhados em sua apresentação à imprensa internacional, nesta quarta-feira.

    O maior TV 3D autoestereoscópico que está sendo mostrado na CES tem 65″, mas Scott Ramirez, diretor da Toshiba nos EUA, garante que a linha a ser lançada terá vários modelos, todos acima de 40 polegadas. “O que estamos vendo aqui são protótipos, cujo design final poderá até ser alterado”, disse o executivo. “Temos em mente que o usuário irá querer unir a experiência 3D com a do home theater, e trabalhamos até com a possibilidade de lançar modelos compatíveis com a resolução 4K, que equivale a quatro vezes a do Blu-ray”.

    Os TVs autoestereoscópicos são vistos pela indústria como a grande solução para fazer decolar a tecnologia 3D, já que os óculos atuais ainda incomodam muitos usuários. Os da Toshiba utilizam um jogo de lentes que separam os pixels direcionados a cada olho, eliminando a necessidade de óculos. Essa solução ainda está sendo aperfeiçoada; no Japão, foi lançado apenas um modelo de 20″. Todos são do tipo LCD com backlight de led, e utilizam o novíssimo processador Cevo, exclusivo da Toshiba, capaz de manipular os sinais em velocidade muito mais alta, o que é considerado fundamental para preservar o envolvimento 3D, independente da posição onde esteja o telespectador.

    Junto com os novos TVs 3D, a Toshiba exibe também na CES seus primeiros laptops tridimensionais, da linha Qosmio. São aparelhos extremamente avançados, com processador de vídeo 3D Vision, da NVidia, conexão Bluetooth 3.0, saídas HDMI 1.4 e USB também de terceira geração. O público-alvo são os gamers e os usuários mais “pesados”, que gostam, por exemplo, de fazer downloads de vídeo em alta definição.

    (fonte: Revista Home Theater Express)

Faça um comentário