Projeto “A Caixa” – Parte X – Fotos

Conforme pedidos, seguem mais fotos das caixas prontas.

As fotos não são profissionais, e tentei fazer o melhor que pude. Algumas tonalidades podem diferir, em função do uso do flash e de sua distância, mas é possível ter uma idéia clara do resultado final.
OK… ainda falta terminar de limpá-las… algumas marcas de dedos… pó… manchas… mas neste final de semana sem falta…


Ao lado da B&W 7NT, usada no sistema de home cinema.


Um equipamento a altura das caixas.


Uma sala a altura dos equipamentos.


17 Comentários em Projeto “A Caixa” – Parte X – Fotos

  1. Fui testemunha da qualidade fabulosa desta caixa quando tive a oportunidade inesquecível de atender ao convite simpático feito pelo Eduardo na semana passada.
    Mais do que ter escutado o que posso chamar de melhor caixa que já tive oportunidade de ouvir na minha vida, posso afirmar que meu nível de exigência, como sério audiófilo que me considero, cresceu muito.
    Construída por um verdadeiro artesão, e com a clara competência de quem está num nível bem acima da média de um universo de indivíduos que ouvem música com DVD adaptados ou comprimida nos MP3 da vida, ou se consideram verdadeiros audiófilos apenas por terem um poderoso raiendi.
    Quem conhece meu sistema de som sabe que trata-se de um arsenal invejável até diante de alguns sistemas de referencia de alguns críticos de equipamentos de certas revistinhas, apesar de julgarem irresponsavelmente os equipamentos de terceiros. Mas, nunca vi um sistema capaz de mostrar com tanta facilidade e clareza a diferença que surge com simples trocas de cabos.
    O Eduardo merece os meus mais sinceros elogios por tão competente trabalho, e é de se lamentar apenas o fato de que esta caixa provavelmente será uma obra única, apesar dos insistentes pedidos dos presentes naquela oportunidade.
    Não adianta nos contar a receita, pois bem sabe o Eduardo que os recursos que usou para vencer algumas etapas de seu projeto dificilmente estarão novamente disponíveis. É uma obra única, de valor incalculável, e que coloca em estado de vergonha as suntuosas caixas raiendi do mercado, que somam preço e grife. Ficou provado para mim que um par de caixas que me custaram quase uma centena de milhares de reais não mereciam tanto assim dos meus recursos.
    Obrigado, meu amigo, por mais esta inesquecível oportunidade.
    Com muito respeito e imensa admiração.
    Francisco Marinho

  2. Eduardo,

    Parabéns pelas caixas, ficaram excelentes !!!
    Você como sempre, superando as espectativas.
    Sua sinceridade faz falta no HTForum, mas isso, agora não vém ao caso…
    Por acaso, tens intenção de vender as B&W 7NT ??? Se sim, qual seria o seu menor preço ???
    Meu e-mail para resposta: (…editado…)
    Um grande abraço.
    Ruy

  3. Ruy,

    Agradeço muito suas palavras bastante simpáticas.
    Essas caixas me deixam muito orgulhoso, pois um projeto difícil, complicado e bastante demorado, mas consegui chegar ao seu final com a qualidade que eu desejava.

    Vou me preservar neste espaço. Lá eu não poderia ter a mesma imparcialidade.

    As B&W 7NT foram totalmente atualizadas no ano passado, com orientação do próprio fabricante. Descobri que depois de alguns anos as caixas não só se desatualizam mas também começam a perder algumas de suas qualidades, pela própria fadiga de componentes em movimento ou envelhecimento de outros, principalmente capacitores. Toda a fiação interna também foi atualizada.
    Assim, acabaram dedicadas ao home-theater, deixando as novas caixas exclusivamente para estéreo, o que pretendo manter assim, por enquanto.
    Agradeço muito a sua oferta.

    Abraço

    Eduardo

  4. Sem palavras.
    Que obra de arte. Você tem coragem de usá-las?
    Queria muito ouvir estas caixas tocando. Ultimamente tenho só me decepcionado com o que o mercado tem oferecido.

  5. Sensacional.
    Li cada capítulo desta reportagem e só posso parabenizar efusivamente o criador destas maravilhas. Que capricho. Que idéias e soluções criativas. Imagino como devem tocar estas caixas. E depois vemos caixinhas de 50 mil reais que só tem grife, mas nada parecido.
    Tive uma dynaudio tempatation por muitos anos. Uma senhora caixa, muito superior aos fracos modelos da linha contour e confidence, sem falar nas insuportáveis focus.
    Mas, como você disse, o tempo não perdoa, e a temptation envelheceu. Parti para a sophia da wilson e já estou pensando em novo upgrade. Concordo com você sobre o equilíbrio e as qualidades da linha wilson audio. Você me lembra o próprio wilson produzindo caixas com um capricho ímpar.
    Gostaria muito de ouvir estas caixas um dia. Será que você não conseguiria permissão para levá-las no hi-end show? Vamos reunir um grupo grande de amigos aqui do Rio, e seria uma oportunidade interessante.
    Pense nisso.
    Sds.

  6. Caro Tablito,
    Obrigado pelas palavras.
    Caixas evoluem muito rápido. Pior é ver testes de equipamentos sendo feitos com projetos já ultrapassados.
    Não participo do evento mencionado, mas vou ver a possibilidade de um encontro para a finalidade proposta.
    Um abraço
    Eduardo

  7. otimas caixas!
    o Sr gosta da Marantz né?!!
    graças ao senhor eu vou de Marantz AV7005+MM7055 mesmo! sendo minha duvida entre a linha Paradigm studio ou Monitor Audio GX Series para meu sistema 5.1 !

    outra grande duvida que queria ajuda sua é que meu quarto tem 13m² e tenho intenção de comprar um sub Velodyne da linha Optimum… minha duvida é se pego o de 12″ ou 10″ ou 8″ o que o Sr acha levando em consideração o tamnho do meu quarto???

  8. Everton,

    Sim, gosto dos produtos Marantz, pois acho que possuem um preço honesto e uma qualidade muito boa, mas também possuo Musical Fidelity, Cambridge e outras marcas, não só Marantz.

    Essa questão de graves é complicada. Vai muito do seu gosto.
    Você já escolheu bem a marca. Velodyne é muito boa e tem graves precisos, ao contrário, por exemplo, da SVS e Sunfire, que têm graves exagerados e pouco fiéis. Mas, estas marcas têm seus seguidores, justamente por uma questão de gosto.
    Se você gosta de graves mais naturais, pode ir de 8″ que para a sua sala vai atender bem, se prefere graves de tremer a sala, pode ir de 12″, lembrando que você pode usar o de 12″ e ajustar o nível do sinal. Com Velodyne, qualquer uma das opções lhe dará um grave preciso.

  9. Meus parabéns Eduardo, muito bom o projeto. Eu também tenho um projeto DIY (torres híbridas – com midranges e tweeters Ribbons e médios em Kevlar 6″, junto a um sub de 15″) para um sistema ES (daqueles antigos, com os Wood Side Panels) que tenho aqui….Tri-ampificação, mais sub. Claro, nunca chegará nem aos pés do seu projeto, mas estou me debruçando aqui para ficar um ótimo sistema de caixas…(risos). Abração.

  10. Anderson,

    Obrigado.
    Entre no clubehiend.com.br e nos apresente o seu projeto. Fiquei bastante curioso sobre este trabalho.

    Abraço

    Eduardo

  11. Eu sou novato neste blog e estou amando tudo que li até agora.

    Depois de ler todos esses artigos sobre “A Caixa”, nem dá vontade ouvir as minhas miseras JBL, rsrsrs

    Grande abraço!

  12. Parabens pela sua criação, nunca tinha visto uma caixa de som que abrisse com uma tampa e ainda mais com dobradiças, aliás , jamais imaginei que isso seria possivel. A parte interna dela parece bem complicada e com peças de alto padrão. Seu blog como um todo esta de parabens já aprendi muita coisa.

  13. Boa tarde, Eduardo, é muito bom saber que existe no mundo pessoas que disponibilizam informações com a verdadeira intenção de ser útil. Não lhe conheço, mas estamos conectados através desse trabalho maravilhoso. Vc acabou de colecionar mais um fã. Agradeço pelas informações preciosas!!! Parabéns!!!!

  14. Obrigado,

    Fico feliz em ajudar.

    Obrigado por prestigiar este humilde espaço.

    Abraços

    Eduardo

Faça um comentário